Boxe brasileiro perde Ralph Zumbano

O ex-boxeador e treinador Ralph Zumbano será enterrado nesta sexta-feira no Cemitério Santana, em São Paulo, após velório na Assembléia Legislativa, que deverá ser encerrado às 9 horas. Um dos pioneiros do boxe brasileiro e descobridor de talentos do esporte, como Adílson Maguila Rodrigues, Zumbano morreu na madrugada desta quinta-feira, aos 76 anos. O técnico, que também foi deputado estadual, estava internado em estado grave há cerca de dez dias, depois de sofrer um derrame cerebral e ter o estado de saúde agravado por problemas cardíacos, renais e de diabetes. Zumbano foi um dos primeiros representantes do boxe brasileiro em olimpíadas. Disputou os Jogos de 1948, em Londres na categoria peso leve. Perdeu o terceiro combate e ficou na quinta colocação. A derrota foi para o norte-americano Wallace Smith, que anos depois, como profissional, seria campeão mundial. O bom desempenho do boxeador só foi superado 20 anos depois, quando Servílio de Oliveira conquistou a medalha de bronze nos Jogos de 1968. O estilo técnico de Zumbano chegou a render um convite para uma temporada de combates em Nova York. O pugilista, porém, pertencia a uma família de socialistas declarados e não conseguiu visto de entrada no país. Ralph também era um dos patriarcas da família Zumbano-Jofre, composta de mais de 20 boxeadores. O mais famoso deles foi seu sobrinho, Eder Jofre, campeão mundial entre os pesos galo. "Ele era um pugilista muito técnico, que bailava no ringue. Podia não ter muita força, mas era muito difícil pegá-lo", descreveu Jofre. O ex-campeão também ressaltou a dedicação de Zumbano à formação de talentos. "Ele era uma pessoa boa e pacata que sempre teve um interesse muito grande pela juventude. Muitas pessoas falam muito sobre livrar jovens do vício, mas ele realmente fazia alguma coisa", diz Jofre, lembrando que até dez dias antes de sua morte, Zumbano ainda trabalhava como treinador. Seu objetivo era fazer com que o neto, Raphael, continuasse a tradição familiar, combatendo entre os pesos pesado. Presidente da Federação Paulista de Boxe, Newton Campos, ressaltou seu trabalho como treinador. "Foi ele quem lançou Maguila e até algumas semanas era presença constante nas noites de combate no Baby Barione", lembra. Newton informou que foram decretados três dias de luto na federação e haverá uma homenagem especial para Zumbano no Baby Barione na próxima terça-feira. Zumbano era um defensor do boxe técnico, mas costumava dizer que um bom pugilista era aquele que, quando se encontrava em uma situação difícil sabia usar da força.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.