Boxe: Don King planeja canal 24 horas

Depois de promover a maior luta de pesos pesados da história no Zaire, em 1974, com Muhammad Ali e George Foreman, reunir mais de 130 mil pessoas no Estádio Azteca, na Cidade do México, em 1994, para assistirem a um combate de Julio César Chavez e pagar US$ 120 milhões em 15 meses para Mike Tyson realizar cinco lutas entre 1995 e 1996, o megaempresário Don King prepara mais uma revolução no mundo do boxe. Aos 72 anos, King anunciou que pretende lançar "em breve" um "Canal de Boxe" 24 horas nos Estados Unidos.A idéia é utilizar o arquivo de 30 anos de lutas de King, além dos combates atuais, reforçados por entrevistas e perfis. King tem em suas mãos os maiores nomes do boxe atual, incluindo dois dos três principais campeões da categoria dos pesos pesados: John Ruiz (Associação Mundial) e Cris Byrd (Federação Internacional).A nova empreitada de King promete agitar os principais canais de televisão norte-americanos, como HBO e Showtime, que transmitem muitas de suas noitadas. King, que chega a faturar US$ 300 milhões em uma programação, pretende aumentar seu faturamento. Com o seu canal, o empresário dos cabelos grisalhos e eriçados terá de gastar com a infra-estrutura, mas alcançará um superávit maior do que se negociasse diretamente com o pay-per-view. O recorde de vendas neste sistema pertence a Tyson x Holyfield II, a Luta da Mordida, organizada por King, quando 1,9 milhão de assinaturas foram negociadas, proporcionando US$ 100 milhões aos cofres da Showtime.King quer agora ficar também com este filão. Semana passada King e HBO trocaram farpas por causa das vendas obtidas para o combate do dia 2 entre Felix Trinidad e Ricardo Mayorga. O canal HBO considerou pequena a venda de 420 mil pontos no pay-per-view. King respondeu: "Eles deram seis meses para Bob Arum (empresário e rival de King) promover De La Hoya x Hopkins. E seis dias para eu organizar Trinidad x Mayorga." A vitória de Hopkins vendeu 1 milhão de assinaturas, enquanto o triunfo de Trinidad negociou 420 mil. Parece que o divórcio entre o maior empresário do boxe e as grandes TVs está próximo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.