Steve Marcus/Reuter - 7/4/2011
Steve Marcus/Reuter - 7/4/2011

Boxe: Oscar De La Hoya revela dependência de álcool e cocaína

Ex-pugilista admite vício, mas garante estar 'limpo' há três meses

AE, Agência Estado

31 de agosto de 2011 | 11h11

NOVA YORK - O ex-campeão mundial de boxe Oscar de La Hoya revelou ter pensado em cometer suicídio e que se internou numa clínica de reabilitação para se tratar de dependências de drogas e álcool. A entrevista foi dada para o canal de TV Univision, dos Estados Unidos, mas que transmite sua programação em castelhano. "O pior foi recentemente", disse De La Hoya. "Durante alguns anos, só pensava se minha vida valia algo. Não tinha força, não tinha coragem para tirar minha própria vida, mas estive pensando nisso."

De La Hoya garantiu que está "limpo"há três meses, depois de realizar tratamento e se filiar ao Alcoólicos Anônimos. Ele revelou que foi infiel, o que o levou a se separar da sua esposa por um tempo. "Obviamente não estamos falando aqui de um Tiger Woods, mas fui infiel", disse o ex-boxeador.

"Houve drogas e a que preferia era a cocaína e o álcool. A cocaína foi recente. Os últimos dois anos, ou dois anos e meio, dependia mais do álcool do que da cocaína", completou De La Hoya. "Me levou [o vício] a um lugar onde me sentia a salvo, onde senti que ninguém podia me dizer nada, me levou a um lugar onde eu podia alcançar a minha mãe."

De La Hoya se aposentou dos ringues em 2009, depois de 16 anos de uma carreira em que ganhou 10 títulos mundiais em seis divisões. Na sua última luta, foi derrotado pelo filipino Manny Pacquiao. Seu último título foi conquistado em maio de 2006, quando venceu o nicaraguense Ricardo Mayorga em seis assaltos pelo cinturão da categoria médio-ligeiro do Conselho Mundial de Boxe. De La Hoya terminou sua carreira com 39 vitórias e seis derrotas, com 30 nocautes. Ele também ganhou uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992.

Tudo o que sabemos sobre:
boxeOscar De La Hoya

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.