Bradley cai, mas vence 1ª luta após vencer Pacquiao

O pugilista norte-americano Timothy Bradley suportou um forte castigo sofrido no início do combate e um knockdown no 12º e último round para vencer por decisão unânime dos árbitros o russo Ruslan Provodnikov, mantendo o cinturão do peso meio-médio da Organização Mundial de Boxe.

AE-AP, Agência Estado

17 de março de 2013 | 11h38

Esta foi a primeira luta de Bradley desde a sua polêmica vitória sobre Manny Pacquiao, que lhe rendeu a condição de campeão mundial, em junho de 2012. Com o triunfo, o norte-americano segue invicto, com 30 vitórias, enquanto Provodnikov está com 22 triunfos e duas derrotas no seu cartel.

No combate, realizado na noite de sábado em Carson, na Califórnia, Bradley foi massacrado nos dois primeiros rounds e sofreu uma queda no último. Mas o norte-americano também atacou o russo, causando grandes cortes e inchaços no rosto do seu adversário.

Os juízes Marty Denkin e Jerry Cantu deram a vitória a Bradley por 114 a 113, enquanto Raul Caiz definiu por 115 a 112. "Ele é muito mais poderoso do que Pacquiao", disse Bradley. "Ele bate mais forte, e tem socos curtos. Ele é um grande boxeador, e eu tiro meu chapéu para ele", completou. "Ele vai ser campeão mundial algum dia".

Elogiado pelo adversário, Provodnikov disse que merecia vencer. "Eu fui claramente o vencedor", disse. "Eu o machuquei. Eu o derrubei. Eu não sei mais o que fazer", reclamou.

Bradley também sofreu uma queda no primeiro round, mas não foi contabilizada porque o árbitro entendeu como um escorregão. Ele conseguiu conter o adversário a partir do terceiro round, mas o combate voltou a ser feroz no final sexto round, com troca de dezenas de socos, com o norte-americano provocando cortes profundos no russo. No último round, o norte-americano voltou a cair. Mesmo assim, os árbitros definiram pela vitória de Bradley.

Tudo o que sabemos sobre:
boxeTimothy BradleyRuslan Provodnikov

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.