Bradley vence 'guerra' e mantém cinturão

O arquivo do boxe internacional ganhou na madrugada de ontem mais um capítulo para ficar eternizado. Foi a sensacional vitória do norte-americano Timothy Bradley sobre o russo Ruslan Provodnikov, por pontos, após 12 eletrizantes roundes. Bradley manteve o cinturão dos meio-médios da Organização Mundial de Boxe e também uma invencibilidade de 30 lutas. Provodnikov perdeu pela segunda vez em 24 combates, mas ganhou credibilidade entre os torcedores e críticos da nobre arte.

WILSON BALDINI JR., O Estado de S.Paulo

18 de março de 2013 | 02h03

Desde o primeiro assalto os cerca de três mil espectadores assistiram ao duelo em pé. Provodnikov, ao seu estilo, foi para o ataque e Bradley aceitou a troca de golpes. Melhor para o russo, que derrubou o americano nos dois primeiros assaltos. Bradley só foi ter o domínio a partir do terceiro, quando manteve a distância. Além de um poder de superação incrível, o campeão ainda apresentou uma variação de golpes impressionante, e chegou a abrir um profundo corte na pálpebra do olho esquerdo do russo.

O duelo foi equilibrado até o fim, quando Provodnikov voltou a impressionar e derrubou pela terceira vez o campeão. Mesmo com as quedas, os juízes foram unânimes (114-113, 115-112 e 114-113) em dar a vitória para Bradley, apesar da vaia do público. Dan Rafael, da ESPN, anotou 114-112 para Bradley, enquanto Harold Lederman, comentarista da HBO, marcou 115-112.

"Fui o vencedor. Bati nele, o machuquei e o derrubei", disse Provodnikov, revoltado com o resultado. "Dei tudo o que tinha. Não fugi dos golpes dele e também o acertei várias vezes", afirmou Bradley.

Após a "guerra", ganha força uma revanche entre o filipino Manny Pacquiao e Bradley. Em junho do ano passado, o americano venceu em decisão polêmica. "Provodnikov pega muito mais forte do que Pacquiao", disse Bradley, que soltou mil golpes e acertou 347. O russo disparou 676 e conectou 218.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.