BRAGANTINO 2 CORINTHIANS 2 Pênalti no final salva o Corinthians em Bragança

Cobrança feita por Guerrero aos 51 minutos garante o 2 a 2 com o Bragantino. Foi o quinto empate seguido do time

MARCON BERALDO, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2013 | 02h06

Gols: Léo Jaime aos 51 segundos, Pato aos 2 minutos, Lincom aos 9 e Guerrero (pênalti) aos 51 do 2º tempo.

BRAGANTINO (3-5-2): Rafael Defendi; Raphael Andrade, André Astorga e Kadu; D. Macedo, Geandro (Robertinho), Neto, Serginho e Léo Jaime (Graxa); Malaquias (Cairo) e Lincom. Técnico: Mazola Jr.

CORINTHIANS (4-4-2): Cássio; Edenílson, Gil, Paulo André (Guilherme) e Fábio Santos (Igor); Ralf, Paulinho, Renato Augusto e Douglas (Guerrero); Romarinho e Alexandre Pato. Técnico: Tite.

Juiz: Leandro Bizzio Marinho.

Cartões amarelos: Geandro, Fábio Santos, Diego Macedo, Neto, Graxa e Robertinho. Vermelho: R. Andrade.

Renda: R$ 377.406,00.

Público: 8.822 pagantes.

Local: Nabi Abi Chedid, em Bragança.

Ainda abalado com a tragédia na Bolívia e com o time alterado por conta do esforço na altitude na quarta-feira, o Corinthians arrancou empate por 2 a 2 com o Bragantino, ontem à tarde em Bragança Paulista, graças a um pênalti bem cobrado por Guerrero no último lance da partida. O time dirigido por Tite entrou em campo ansioso por uma vitória (agora soma cinco empates seguidos), foi bem no primeiro tempo, mas não conseguiu transformar a superioridade em gols. Na segunda etapa, cedeu espaço ao adversário e só não perdeu porque foi salvo por um pênalti infantil cometido pelo zagueiro Raphael Andrade.

O Corinthians foi bem no primeiro tempo, apesar de tudo. Encurralou o adversário em seu campo, criou duas chances com Pato e Romarinho e só foi ameaçado no final do período.

Na segunda etapa o Bragantino tomou a iniciativa e abriu a contagem antes de ser completado o primeiro minuto com Léo Jaime. A reação veio em seguida com Pato, mas o Braga, graças a uma cabeçada certeira do artilheiro Lincom, marcou o segundo gol aos 9 minutos.

A partir daí, o time da casa fez de tudo para segurar o resultado, apelando para faltas e 'amarrando' o jogo. E teria chegado à vitória não fosse um vacilo do zagueiro Raphael Andrade, que, afoito, no últime lance na área, bateu com o braço na bola. Guerrero agradeceu o presente e converteu o pênalti aos 51 minutos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.