Misha Japaridze/AP
Misha Japaridze/AP

Brasil: a um passo do Grupo Mundial

Melo e Soares vencem a partida de duplas e vaga na divisão de elite dependerá dos jogos de simples, hoje

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2011 | 00h00

ENVIADO ESPECIAL / KAZAN

O Brasil está a um passo de voltar ao Grupo Mundial da Copa Davis, o que não ocorre desde 2003. A dupla formada por Marcelo Melo e Bruno Soares, 11.ª melhor parceria do ranking, bateu os russos Igor Kunitsyn e Dmitry Tursunov ontem e a equipe brasileira precisa apenas de mais uma vitória nos dois jogos de hoje, às 6 horas (de Brasília), para retornar à elite do tênis mundial. O placar, com a vitória de ontem, aponta vantagem de 2 a 1 para o time de Thomaz Bellucci e companhia.

Os mineiros Melo e Soares fizeram uma partida consistente, principalmente a partir do final do segundo set, e venceram os russos por 3 sets a 0 (6/4, 7/5 e 6/2) em plena Kazan, local que a federação de tênis da Rússia escolheu depois de passar 17 anos disputando confrontos da Copa Davis apenas na capital Moscou.

"Jogamos de forma muito sólida e vencemos um jogo crucial para conseguirmos levar o confronto", definiu Melo. "Tomara que seja possível voltar ao Grupo Mundial porque é algo que a gente já vem beliscando há cinco anos e seria muito importante para o tênis brasileiro."

O capitão João Zwetsch chama a atenção para a necessidade de manter a concentração. "Importante é manter os pés no chão. A Rússia tem um time muito forte e joga com o mando de quadra a seu favor", pondera. "Já pudemos mostrar para eles que somos perigosos e temos que continuar fazendo sempre um algo mais para vencer."

Preocupação russa. A equipe da Rússia já estava preocupada com a dificuldade de enfrentar o Brasil antes do confronto. Ontem Mikhail Youzhny, que havia declarado no ano passado que não pretendia voltar a disputar a Copa Davis, afirmou que só aceitou integrar o time por causa de lesão no ombro que impediu Nikolay Davydenko, 36.º do ranking, de jogar contra o time brasileiro.

"Conversei com Shamil Tarpischev (capitão da equipe russa) e tive de mudar de ideia porque os outros jogadores não têm muita experiência na competição e poderiam ter muitos problemas contra o Brasil", explicou Youzhny, 32.º do ranking.

Semifinais. Os franceses Jo-Wilfried Tsonga e Michael Llodra venceram os espanhóis Feliciano López e Fernando Verdasco, por 6/1, 6/2 e 6/0 e a desvantagem na semifinal passou para 2 a 1. O mesmo aconteceu com os sérvios Nenad Zimonjic e Viktor Troicki, que marcaram o primeiro ponto ao ganhar dos argentinos Juan Mónaco e Juan Ignacio Chela por 7/6(4),6/4 e 6/2.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.