Brasil bate Venezuela e está na decisão

Equipe afugenta fantasma de Santo Domingo e faz a final com os EUA

Erica Akie Hideshima, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2028 | 00h00

Depois de quatro anos, a seleção brasileira masculina de vôlei conseguiu a vingança que tanto esperava: venceu ontem a Venezuela por 3 sets a 0, com parciais de 30/28, 25/18 e 25/16, e garantiu vaga na final dos Jogos Pan-Americanos. Os brasileiros são favoritos ao ouro e à quebra do jejum de 24 anos sem faturar o título. A disputa será com os Estados Unidos, às 22 horas, com transmissão da Globo, SporTV, Band, Record e ESPN Brasil.O Maracanãzinho estava lotado para ver os brasileiros contra os mesmos algozes de quatro anos atrás, em Santo Domingo, agora sob o comando do competente Ricardo Navajas. A vitória brasileira não veio com facilidade, especialmente no primeiro set, e no banco de reservas, era interessante ver os chiliques de Bernardinho e Navajas.Os venezuelanos surpreenderam e logo no início mantiveram equilíbrio com o poderoso time de Bernardinho. Perto da definição do primeiro set, os rivais assustaram: abriram 18/15 e fizeram Bernardinho pedir tempo. A vantagem da Venezuela chegou a 23/19, mas uma seqüência de saques de André Nascimento destruiu o passe venezuelano e o Brasil fechou em 30/28.O segundo set começou tranqüilo, com os brasileiros forçando o saque e desestabilizando os venezuelanos, com vantagem de 8/4. O último ponto do set veio com um ataque do meio-de-rede Rodrigão. No terceiro set, Bernardinho só precisou administrar os nervos de seu grupo, já que os venezuelanos perderam completamente a concentração.EUA ESPERAVAM O BRASILNa primeira semifinal do dia, os Estados Unidos venceram Cuba por 3 sets a 1, com parciais de 25/23, 25/17, 24/26 e 25/23. "Foi uma boa partida, com os dois times jogando num ritmo muito forte. Com isso, pudemos trabalhar nossa recepção", analisou o técnico norte-americano, Ronald Larsen. "É sempre muito bom jogar com os cubanos, porque têm um jogo físico muito forte. Hoje (ontem), eles também sacaram muito bem."E antes mesmo de conhecer o adversário da decisão do ouro, Larsen já tinha a certeza de que enfrentaria o Brasil. "É o melhor time do mundo, ganhou todas as competições que disputou nos últimos seis anos. Indiscutivelmente, são os favoritos ao título, ainda mais jogando em casa. Claro que o fato de o Brasil estar sem o Ricardo nos ajuda", disse o treinador, que depois emendou: "Mas o Marcelo está jogando bem no Pan. As bolas estão chegando no Giba, no Dante, Gustavo e André Nascimento do mesmo jeito", concluiu.A medalha de bronze será disputada às 17 horas, entre Cuba e Venezuela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.