Ale Cabral/CPB
Ale Cabral/CPB

Brasil conquista prata e bronze com Marivana e Mateus Evangelista nos Jogos Paralímpicos

Ela terminou em segundo lugar no arremesso de peso da classe T35 e ele garantiu um lugar no pódio no salto em distância T37

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2021 | 22h57

O Brasil começou o dia no atletismo com duas medalhas nos Jogos Paralímpicos de TóquioMarivana Oliveira conquistou a  prata no arremesso de peso classe F35 (paralisasia cerebral) e Mateus Evangelista ficou com o bronze no salto em distância T37 (paralisia cerebral) .

Ela alcançou a marca de 9,15m e ficou atrás apenas da ucraniana Mariia Pomazan (12,24m), que ficou com o ouro. O bronze foi para a checa Anna Luxova (8,60m). Marivana garantiu sua melhor marca logo no primeiro dos seis arremessos e em nenhum momento teve o resultado ameçado pelas outras adversárias. A brasileira teve paralisia cerebral por falta de oxigenação no cérebro, que afetou seus membros inferiores.

Ela descobriu o esporte paralímpico em 2008, quando fazia fisioterapia em uma associação para pessoas com deficiência. Uma funcionária que trabalhava com um atleta a viu e disse que ela tinha “perfil de atleta”. Em um primeiro momento, ela não levou a sério e só decidiu começar os treinos depois de seis meses e por muita insistência dessa funcionária. 

De lá para cá, ela coleciona medalhas. Até então, seus melhores resultados tinham sido o bronze, conquistados nos Jogos do Rio-2016, no Mundial de Dubai-2019 e nos Jogos Parapan-Americanos de Lima-2019 e no Mundial de Doha-2015.

Mateus teve falta de oxigenação no cérebro no nascimento. Como sequela, o lado direito de seu corpo ficou comprometido. Aos 12 anos, assistiu a uma palestra sobre esporte paralímpico em sua escola. Decidiu falar com os responsáveis para conhecer as modalidades e começou no atletismo. Em Tóquio, conquistou sua segunda medalha paralímpica. No Rio, ficou com a prata. Também foi prata no Mundial de Dubai. No Parapan de Lima conquistou ouro nos 100m, prata nos 200m e no salto em distância.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.