Hector Retamal/ AFP
Hector Retamal/ AFP

Brasil cumpre meta do Pan e hóquei sobre grama vai à Olimpíada

Fora do Top-30, seleção precisava ficar entre 6 melhores

DEMÉTRIO VECCHIOLI, Estadão Conteúdo

21 de julho de 2015 | 19h53

O Brasil conquistou nesta terça-feira o seu principal resultado nos Jogos Pan-Americanos até aqui. Com uma vitória nos pênaltis nas quartas de final do hóquei sobre grama, sobre os Estados Unidos, após empate por 1 a 1, a seleção masculina se classificou para os Jogos Olímpicos do Rio-2016. Assim, evitou o vexame de a modalidade ficar fora da Olimpíada em casa por falta de qualidade técnica.

Afinal, a Federação Internacional de Hóquei (FIH) havia condicionado ao convite a duas condições, das quais o Brasil só conseguiu cumprir uma. Como não terminou o ano passado entre os 30 primeiros do ranking mundial, precisava ficar entre os seis primeiros dos Jogos Pan-Americanos. Com a classificação para a semifinal, garantiu no mínimo o quarto lugar.

A vaga do hóquei no Rio era uma das prioridades tanto do Comitê Olímpico do Brasil (COB) - a ponto de o presidente Carlos Arthur Nuzman acompanhar o jogo desta terça-feira in loco -, quanto do ministério do esporte. A ponto de o governo firmar um convênio de R$ 4,975 milhões para viabilizar treinos da equipe no exterior de janeiro a novembro deste ano.

Tal convênio causou polêmica porque envolvia o pagamento de diárias de R$ 476 por jogador durante um longo período de estada na Europa, além de garantir salários de R$ 12 mil mensais ao técnico da equipe, Cláudio Rocha. Ele é filho de Sydney Rocha, presidente da CBHG desde a criação da entidade e, sem experiência no cargo, tem currículo que se encaixa em faixa salarial de até R$ 5 mil na tabela normativa do COB. Antes do início do Pan, ainda foi acusado, pela jogadoras da seleção feminina, de sexismo e de fazer comentários machistas e ofensivos a elas quando treinador da equipe.

Não dá para negar, entretanto, a evolução apresentada pelo Brasil no Pan. A equipe, formada pelos jogadores dos únicos quatro times do País e com quatro jogadores de dupla nacionalidade, já conseguiu duas vitórias em Toronto. Por ter ganhado do México (perdeu de Chile e Canadá), fugiu da Argentina nas quartas de final e caiu diante dos EUA na semifinal.

Matheus Borges marcou o gol brasileiro no tempo normal, aos 4 minutos do terceiro quarto - cada tempo tem 10 minutos. Mas os EUA conseguiram o empate a três minutos do fim da partida, com Tyler Sundeen. A partida foi para os pênaltis. Yuri van der Heijden, Lucas Paixão e Bruno Sousa converteram as três cobranças, os EUA só acertaram uma e garantiram o Brasil na Olimpíada.

Curiosamente, o Brasil não havia conquistado vaga nem para os Jogos Pan-Americanos, porque terminou em sétimo a Copa Pan-Americana, em 2013. Mas acabou herdando a vaga de Trinidad & Tobago, que terminou à sua frente na Copa, mas depois se classificou ao Pan pelos Jogos Centro-Americanos.

No Rio, será a primeira aparição dos hóquei sobre a grama do Brasil em Olimpíada. Até aqui, o País jogou o Pan apenas duas vezes: em 2007, por convite, perdendo todos os jogos, e agora. A classificação garante mais 16 atletas na delegação do Time Brasil em 2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.