Orlando Barria/EFE
Orlando Barria/EFE

Brasil dispara em 3º e já ganha mais medalhas por dia do que o Canadá

País se distancia de Cuba no quadro de medalhas em Toronto

DEMÉTRIO VECCHIOLI, Estadão Conteúdo

19 de julho de 2015 | 00h29

Como já era previsto, o Brasil teve uma jornada repleta de conquistas neste sábado nos Jogos Pan-Americanos de Toronto. No dia em que chegaram ao fim as classes olímpicas da vela e também as disputas da natação, o País somou seis medalhas de ouro, 13 no total, e disparou à frente de Cuba na disputa pelo terceiro lugar do quadro de medalhas.

Nenhuma das medalhas douradas obtidas pelo Brasil neste sábado, entretanto, era inesperada. Afinal, a equipe de ginástica rítmica faturou o penta, Bimba e Patrícia Freitas tinham ampla vantagem nas classes RS:X da vela e Yane Marques vinha de bronze no Mundial de Pentatlo Moderno. Na natação, Henrique Rodrigues e Thiago Pereira sobraram nos 200m medley, enquanto o revezamento 4x100m medley confirmou a força da delegação brasileira.

Observando o quadro de medalhas, o desempenho do Brasil foi bom. Mas a verdade é que esperava-se um pouco mais. Estrelas da vela mundial, Robert Scheidt e Martine Grael/Kahena Kunze ganharam apenas a prata nas suas respectivas classes - Laser e 49erFX. Campeã da maratona feminina em Guadalajara (2011), Adriana Aparecida da Silva ficou com a prata.

Mas não foi só isso. Marcus Vinicius D''Almeida nem chegou à disputa por medalhas no tiro com arco, as brasileiras ficaram fora do pódio na ginástica rítmica no individual geral e nenhum dos dois atletas que competiram na luta surpreendeu. Flávio Cipriano perdeu a disputa pelo bronze no ciclismo de pista e Joanna Maranhão ficou apenas em quarto nos 200m medley.

Mas Cuba teve um dia de ainda mais lamentações. Ao final das competições de luta, modalidade na qual ganharam nove medalhas de ouro em Guadalajara, os cubanos somaram apenas quatro. Ao longo de todo o dia, ganharam apenas seis medalhas, sendo só duas de ouro.

Se há dois dias Brasil e Cuba estavam empatados em 18 medalhas de ouro, agora o Brasil disparou para 28. Cuba tem 21. Também ficaram para trás a Colômbia, que ganhou apenas uma prata neste sábado (no tiro com arco), e o México, que somou sete medalhas no dia, sendo uma de ouro. Agora, os colombianos têm 19 medalhas douradas e os mexicanos 11.

No topo do ranking, os Estados Unidos assumiram a liderança em um dia ruim para o Canadá. Os norte-americanos faturaram 10 medalhas de ouro ao longo do dia, em seis modalidades diferentes, e mostraram por que são a maior potência olímpica do mundo. Os donos da casa tiveram seu pior dia, com apenas três medalhas de ouro e 12 no total.

Neste momento do Pan, Brasil e Canadá estão praticamente no mesmo ritmo de conquistas. Nos últimos três dias, os donos da casa ganharam 39 medalhas, sendo 15 de ouro. O Brasil, no mesmo período, ganhou 43 medalhas, 12 de ouro.

DOMINGO

O Brasil tem tudo para ter mais um dia de muitas medalhas em Toronto, especialmente na canoagem slalom. Afinal, das cinco provas da modalidade, em quatro um brasileiro fez o melhor tempo da fase eliminatória.

No hipismo CCE, Ruy Fonseca lidera. Por equipes, o Brasil é segundo. Na ginástica rítmica, a equipe de conjunto deve ganhar mais um ouro. Na de trampolim, Camila Gomes passou à final em segundo. Em todas as essas provas o domingo terá disputa por medalhas.

O País ainda tem boas chances no tae kwon do (Iris Tang Sing e Venilton Teixeira foram medalhistas no Mundial deste ano), no tiro (Bruno Heck tem boas chances na carabina três posições) e nas classes não-olímpicas da vela (é favorito a duas de bronze). Caio Sena e Erica Sena podem surpreender na marcha atlética, o mesmo valendo para Flávio Cipriano no keirin, prova do ciclismo de pista. Só no golfe não tem chances.

CONFIRA AS PRIMEIRAS COLOCAÇÕES DO QUADRO DE MEDALHAS:

1.º Estados Unidos - 50 de ouro, 41 de prata e 44 de bronze (135 total)

2.º Canadá - 48 de ouro, 41 de prata e 33 de bronze (122 total)

3.º Brasil - 28 de ouro, 23 de prata e 35 de bronze (86 total)

4.º Cuba - 21 de ouro, 18 de prata e 23 de bronze (62 total)

5.º Colômbia - 19 de ouro, 8 de prata e 19 de bronze (46 total)

6.º México - 11 de ouro, 17 de prata e 27 de bronze (55 total)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.