Al Belo/AFP
Al Belo/AFP

Brasil é superado pela Argentina e leva a prata no vôlei masculino

Seleção vacila no quarto set e acaba perdendo o ouro no tie-break

MÁRCIO DOLZAN, NATHALIA GARCIA E PAULO FAVERO, ENVIADOS ESPECIAIS A TORONTO, O Estado de S. Paulo

26 de julho de 2015 | 18h57

Em jogo apertado, a seleção masculina de vôlei foi superada pela Argentina no tie-break e fechou a participação do Brasil com uma medalha de prata, a derradeira dos Jogos Pan-Americanos de Toronto. O time começou atrás no placar e até buscou a virada, mas deixou o adversário gostar do jogo novamente e acabou derrotado por 3 sets a 2, com parciais de 23/25, 25/18, 25/19, 23/25 e 8/15, neste domingo. O resultado quebra a hegemonia do País, que conquistou os dois últimos títulos da competição.

Além disso, o Brasil perdeu a chance de alcançar Cuba, dona de cinco títulos e maior vencedora da história do vôlei no Pan. No entanto, se mantém à frente no número total da conquistas, com 15 medalhas (quatro ouros, sete pratas e quatro bronzes) contra 12 dos cubanos. O Brasil alcançou o lugar mais alto do pódio nas edições de Guadalajara (2011), Rio de Janeiro (2007), Caracas (1983) e São Paulo (1963).

Em Toronto, o vôlei brasileiro masculino não contou com os seus principais atletas e foi comandado por Rubinho, auxiliar de Bernardinho. A comissão técnica convocou uma equipe completamente reformulada para o Pan por dar prioridade para a Liga Mundial, na qual o Brasil foi eliminado precocemente na fase final em casa. Apesar do vice-campeonato, os garotos mostraram serviço e se colocam na briga por espaço no time principal para os Jogos Olímpicos do Rio, em 2016. Destaque para o oposto Renan Buiatti, com 28 pontos.

O estilo de jogo dos argentinos não foi surpresa para os brasileiros, que já cruzaram com os rivais diversas vezes nas categorias de base. Além disso, as duas equipes haviam se enfrentado na última rodada da fase classificatória. Na ocasião, o Brasil levou a melhor sobre a Argentina por 3 sets a 0 (29/27, 25/21 e 25/22), mas neste domingo não conseguiu repetir o desempenho. Na trajetória até a decisão, a seleção ainda venceu a Colômbia na estreia e Porto Rico na semifinal, mas foi superada por Cuba. A medalha de bronze ficou com o Canadá, que venceu Porto Rico por 3 sets a 1.

O JOGO

Com dificuldade na recepção, os brasileiros ficaram atrás no placar durante todo o primeiro set. Os argentinos aproveitaram a fragilidade defensiva dos adversários e exploraram bastante o fundo de quadra. Após desperdiçar três set points, os "hermanos" fecharam a parcial por 25 a 23.

O Brasil voltou mais ligado para o segundo set, mas a vantagem durou pouco e as falhas voltaram a se repetir. Sem criatividade nas jogadas, a equipe brasileira explorava os ataques do oposto Renan Buiatti à exaustão. Na sequência, começou a se acertar em quadra e arrancou o empate com 25 a 18.

No terceiro set, o time continuou em alta e com mais confiança. Com o apoio da torcida nas arquibancadas, os brasileiros passaram a encaixar o ataque e a acertar o bloqueio. Já os argentinos perderam intensidade e levaram a virada por 25 a 19.

O quarto set foi bastante disputado entre as duas seleções, que vibravam bastante a cada ponto. A Argentina não desistiu e aproveitou a primeira oportunidade de fechar o set, cravando 25 a 23 e levando o jogo para o tie-break. Abatido, o Brasil sucumbiu e não conseguiu impedir a derrota por 3 sets a 2 ao ser atropelado no tie-break, no qual caiu por 15/8.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.