Satiro Sodre/Divulgação
Satiro Sodre/Divulgação

Brasil é campeão geral de um Mundial de natação pela 1ª vez

Equipe brasileira faz melhor campanha de sua história, fatura 7 ouros no Mundial de Piscina Curta de Doha e é campeã inédita

O Estado de S. Paulo

07 de dezembro de 2014 | 17h00

Neste domingo, chegou ao fim o Mundial de Piscina Curta de Doha, no Catar. Após quatro vitórias brasileiras em finais em um único dia, a competição teve um resultado inédito em seu quadro de medalhas: com 7 ouros, o Brasil sagrou-se campeão geral.

O Brasil entrou nas provas de domingo com três ouros: revezamento 4x50m medley (com direito a recorde mundial), revezamento 4x50m misto e 100m peito, este último com Felipe França. O nadador, aliás, fechou o Mundial com cinco medalhas de ouro. Até o início das competições, a Hungria, comandada pela 'Dama de Ferro' Katinka Hosszu liderava o quadro de medalhas com seis ouros, duas pratas e um bronze.

O primeiro brasileiro a cair na água foi Cesar Cielo, que buscava 'revanche' nos 100m livre contra o francês Florent Manaudou após ficar com o bronze na prova em que é especialista: os 50m. Com uma arrancada nos momentos finais da prova, o brasileiro ultrapassou o rival e se sagrou bicampeão mundial da prova.

Logo depois, Etiene Medeiros fez história ao faturar a primeira medalha feminina para o Brasil em Mundiais, e foi logo uma medalha de ouro. De quebra, ela quebrou o recorde mundial dos 50m costas após liderar a prova de ponta a ponta. Já nos 50m peito masculino, Felipe França novamente mostrou a que veio, não deu chances para os adversários e venceu a prova com direito a recorde do campeonato.

Até aquele momento, o Brasil estava empatado com a Hungria em ouros, mas perdia nas contagens de medalhas de prata. Era a hora da equipe masculina de revezamento cair na água mais uma vez para a disputa dos 4x100m medley. Cesar Cielo, o último a ir para a piscina, assumiu na 4ª  posição, mas, após uma arrancada histórica, garantiu o 7º ouro do Brasil. Com isso, pela primeira vez na história, a equipe brasileira fecha um Mundial de natação na ponta do quadro de medalhas.

Para os atletas, os resultados marcam uma "nova era da natação brasileira". "A gente mostrou como a natação do Brasil se coloca, é um dos maiores esportes do Brasil. Terminar entre os melhores do mundo é inédito para mim. E é muito empolgante. Espero que o brasileiro veja dessa forma, é uma geração muito vitoriosa e veio para ganhar", avaliou Cesar Cielo, dono de três medalhas de ouro e uma de bronze em Doha.

CONFIRA COMO FICOU O QUADRO DE MEDALHAS

1º - Brasil - 7 ouros, 1 prata e 2 bronzes

2º - Hungria - 6 ouros, 3 pratas e 2 bronzes

3º - Holanda - 5 ouros, 1 prata e 6 bronzes

4º - África do Sul - 4 ouros e 1 prata

5º - Espanha - 4 ouros

Tudo o que sabemos sobre:
NataçãoMundial de Piscina Curta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.