Brasil é destaque em jogos para cegos

A equipe brasileira de atletas cegos que está disputando os Jogos Pan-americanos em Spartanburg, nos Estados Unidos, já conquistou 27 medalhas na competição, sendo 14 de ouro. A maioria das conquistas, até o momento, vêm do atletismo, que faturou 15 no total: seis de ouro, três de prata e seis de bronze. Os Jogos terminam neste sábado e os brasileiros chegam ao aeroporto Internacional de São Paulo na segunda-feira, às 6h30.O grande destaque da equipe brasileira é Fabiana Sugimori, 20. Campeã paraolímpica, ela garantiu até agora nada menos do que três medalhas de ouro, nas provas de 50 e 100 metros livre e 50 metros peito da categoria B1 (cego total). No masculino, a grande revelação das piscinas foi o atleta amazonense Pedro Cassiano Bras, 27, da categoria B2 (aqueles que possuem até 5% da visão). Nas três provas que disputou, 50 e 100 metros livre e 50 metros peito, ele conquistou o ouro. Para o técnico da Natação, Luís Marcelo Ribeiro da Luz, o número de vitórias é resultado de uma grande jornada de trabalho. ?O Brasil melhorou muito, por causa da estrutura e do profissionalismo que vêm implantando nas últimas competições?, afirma. No atletismo , a atleta Vera Lúcia da Silva, 19, conseguiu nesta sexta-feira a prata no salto em distância na categoria B3 (aqueles que possuem até 20% de visão). No revezamento 4x400 metros, a equipe composta por André Garcia, 20, Pedro Guilhermino, 24 , Adilson Brás, 17, e Aurélio Guedes, 38, subiu ao lugar mais alto do pódio. Ádria Santos, 26, campeã paraolímpica, e Maria José Ferreira Alves, 24, conseguiram dois primeiros lugares nos 200 metros. A primeira na categoria B1 e a segunda na B2. Além de todos estes resultados positivos, o Brasil possui chances concretas de finalizar os Jogos na primeira colocação do quadro geral de medalhas. Após o primeiro dia da competição, o Brasil liderava na contagem de pontos, com 124, seguido de México e Venezuela.

Agencia Estado,

01 de junho de 2001 | 18h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.