Brasil e Sérvia medem forças na sexta

Com oito vitórias em oito jogos, a seleção brasileira masculina de vôlei fechou hoje a terceira etapa da Copa do Mundo, partindo para Tóquio. Na capital japonesa, o Brasil, campeão do mundo, enfrentará sexta-feira a Sérvia e Montenegro, campeã olímpica, no jogo mais esperado da competição, que abre a quarta e última etapa, que define as três vagas para Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004. Hoje, os brasileiros venceram com facilidade o Egito, por 3 sets a 0 (25/20, 25/20 e 25/13), em Okayama. A seleção segue invicta e líder do torneio, com a Sérvia em segundo lugar, após a vitória sobre a Tunísia por 3 a 0 (25/16, 25/14 e 25/21). Outros resultados: França 3 x 0 Canadá, Itália 3 x 0 China, EUA 3 x 0 Venezuela e Coréia do Sul 3 x 0 Japão. Brasil, Sérvia, Itália, EUA, França, Coréia, Japão, Canadá, Venezuela, China, Tunísia e Egito, pela ordem, ocupam de 1.º a 12.º lugares. A ansiedade dos jogadores para o clássico Brasil e Sérvia é grande. Para os iugoslavos, o gosto é de revanche - perderam a medalha de ouro da Liga Mundial para o Brasil, num tie break disputadíssimo. As duas seleções também brigam diretamente pelo título da Copa (além da vaga olímpica). Apesar da expectativa, o grupo brasileiro prefere a cautela. "Vamos usar a folga para estudar o time deles ao máximo", disse Dante. Bernardinho sabe a importância do jogo e destaca o caráter decisivo da etapa. "Vamos começar um novo campeonato em Tóquio." A Sérvia, na sexta-feira, às 4 horas, os Estados Unidos, no sábado, à 1h30, e o Japão, no domingo, às 7 horas, fecham a participação do Brasil. A cada rodada do torneio a impressão de que o grande jogo será entre brasileiros e sérvios só foi se confirmando. Os dos times terminaram as três primeiras etapas com campanhas idênticas: 16 pontos, 8 vitórias, 24 sets ganhos e três perdidos. O que põe o Brasil em primeiro é a diferença entre pontos ganhos e perdidos (average). O confronto contra os egípcios, hoje, serviu para dar ritmo aos jogadores. Com exceção dos atacantes Nalbert e Giovane e do meio-de-rede André Heller, Bernardinho usou todo o elenco. Melhor jogador em quadra e maior pontuador, com 14 acertos, Gustavo saiu satisfeito com a atuação do time. "Às vezes é difícil encontrar motivação para enfrentar equipe de menor nível técnico. Mas acho que cumprimos nosso dever."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.