Brasil é sexto no revezamento 4 x 400m

A equipe do Brasil terminou neste domingo em sexto o revezamento 4 x 400 m feminino ? o tempo não havia sido o mesmo da semifinal, recorde sul-americano (3min26s82), mas a posição era honrosa para as meninas.Elas fecharam a prova em 3min27s40 e ainda falaram sobre o resultado nazona mista. Mas algum tempo depois, apareciam desclassificadas na súmulados resultados oficiais por infração à regra 170.9, sobre a passagem dobastão. A última corredora do Brasil, Lucimar Teodoro, não manteveposição correta no momento de receber o bastão. ?Devia aguardar na raia6, mas se antecipou para a raia interna?, explicou o secretário-geralda CBAt, Martinho Nobre dos Santos. A Bielorrúsia também foi desqualificada e o Brasil esteve envolvidonisso. Uma das corredoras do time bielorusso, Anna Kozak, fechou apassagem de Josiane Tito, que chegou a sair da raia e pisar na grama,voltando para a pista. As russas venceram a prova (3min20s95), com aJamaica em segundo (3minm32s29) e a Inglaterra em terceiro(3min24s44). A impressão que ficou foi que as atletas do Brasil ignoravam a regra.?Elas conhecem a regra, mas no ímpeto da competição... A Japa estáafirmando até agora que ela não fez isso?, disse o técnico Jayme NettoJr., já na Vila dos Atletas na Universidade de Otaniemi, horas após acorrida. ?Na passagem da terceira para a quarta, a Lucimar teria deestar esperando na raia 6 e a Josiane vir na direção dela. Mas a Josientregou fechada, na raia 1, vendo que a Lucimar ia ao seu encontro?,acrescentou Jayme. Mas o técnico frisou que isso não tira o mérito do que o grupo fez no Mundial. ?O mérito delas é indiscutível, elas bateram o recordesul-americano com um tempo ótimo.? Mesmo antes de saber da desqualificação, Lucimar chamou aatenção das companheiras, logo na saída da pista: ?Nós passamos muitoparadas. Pegamos o bastão muito paradas?, resumiu. ?Quem está esperandotem de se virar para pegar, não pode ficar parada.? Coube a Maria Laura Almirão, que abriu a prova, seguida por Geisa Coutinho, dizer que esse revezamento foi ?um marco para os 400 metros do Brasil, embora a equipe ainda tenha muito o que melhorar.? Disse que o Mundial serviu dereconhecimento ao trabalho duro que o atletismo brasileiro vem fazendo.?As meninas são novas, os 400 metros voltaram a existir, e ainda vamosfazer boas coisas?, acentuou Almirão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.