Brasil estreia com vitória e golaço de Neymar na Copa das Confederações

Atacante teve boa atuação diante dos japoneses e foi muito ovacionado pela torcida

DEMÉTRIO VECCHIOLI, Agência Estado

15 de junho de 2013 | 18h00

BRASÍLIA - A

O JOGO

Neymar precisou de dois lances na Copa das Confederações para pelo menos amenizar as desconfianças que caiam sobre ele. No primeiro, aproveitou o erro de um zagueiro, ganhou dele na corrida, fintou e chutou. A bola explodiu na marcação, mas mostrou que o craque estava com vontade.

Neymar não desistiu do lance. Pegou a sobra, protegeu e tocou para Marcelo. O lateral-esquerdo pausou a jogada e colocou a bola no peito de Fred, na meia-lua. O centroavante errou o domínio acertando. Porque Neymar vinha de trás, pegou na veia e mandou no ângulo para começar a construir a trajetória da seleção na Copa das Confederações.

O problema é que depois do gol o time brasileiro demorou a deslanchar. Os erros de passe eram constantes. Os laterais subiam bastante, mas não conseguiam dar continuidade às jogadas. Paulinho e Oscar tinham dificuldades na criação e a bola chegava pouco até o ataque.

O Japão foi impondo seu estilo de jogo, marcando no campo de ataque, e conseguiu criar três chances de gol na primeira etapa, sempre com Honda. Aos 5, o meia bateu falta de longe e Julio Cesar espalmou. Três minutos depois, recebeu cruzamento da esquerda e chutou por cima. Depois, aos 18, arriscou de longe e viu o goleiro brasileiro bater roupa e assustar a torcida.

Pelo lado brasileiro, a melhor alternativa era com Hulk pela direita. Talvez o mais criticado dos titulares, foi o jogador do Zenit St.Petersburg quem melhor jogou na primeira etapa. Foi depois de um cruzamento dele que Kawashima precisou se esticar todo para evitar um gol contra. Aos 40 minutos, nova chance com Hulk, que recebeu na ponta, cortou para o meio e bateu de canhota, acertando a rede pelo lado de fora.

Nos 10 minutos finais, aliás, a seleção brasileira dominou completamente os espaços. E quase fez 2 a 0 em uma boa trama ofensiva. Neymar puxou o contra-ataque pela esquerda e cruzou certinho para Fred, que dominou, achou o espaço e chutou rasteiro. Kawashima fez ótima defesa.

O goleiro, porém, acabou sendo responsável direto pelo segundo gol brasileiro. Assim como na primeira etapa, a seleção marcou logo aos 2 minutos. Daniel Alves cruzou da direita, Paulinho dominou e girou chutando para o gol. Kawashima chegou na bola, mas aceitou.

O Japão tentou responder logo, em um lance em que Uchida chutou para fora, mas o Brasil logo se recompôs defensivamente e neutralizou o jogo do rival. A seleção, porém, não conseguia criar. Taticamente o time funcionava, mas faltava aquele algo a mais que caracteriza o futebol brasileiro. Foi por isso que a torcida já aos 12 minutos pedia Lucas e foi ao delírio pouco depois quando o garoto foi para o aquecimento.

A substituição só veio aos 28 minutos, depois que o Japão criou boa chance para descontar, com Maeda. Mas Julio Cesar dessa vez pegou firme. Lucas entrou no lugar de Neymar, cansado, e logo depois Hernanes substituiu Hulk, que desapareceu no segundo tempo. Fred, pouco depois, deu lugar a Jô.

Com nova formação ofensiva, o Brasil teve um novo gás, principalmente por conta da correria imposta por Lucas. A equipe não conseguia criar chances de gol, mas arrancou aplausos, gritos de incentivo e até fez a torcida cantar olé. No último lance, Oscar fez jogada individual, acertou lindo passe nas costas da zaga e Jô marcou na saída do goleiro.

FICHA TÉNICA

BRASIL 3 x 0 JAPÃO

BRASIL - Julio Cesar; Daniel Alves, David Luiz, Thiago Silva e Marcelo; Luiz Gustavo, Paulinho e Oscar; Neymar (Lucas), Hulk (Hernanes) e Fred (Jô). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

JAPÃO - Kawashima; Uchida, Konno, Yoshida e Nagatomo; Hasebe, Endo (Hosogai), Kiyotake (Maeda), Honda (Inui) e Kagawa; Okazaki. Técnico: Alberto Zaccheroni.

GOLS - Neymar, aos 2 minutos do primeiro tempo; Paulinho, aos 2, e Jô, aos 48 minutos do segundo tempo.

CARTÃO AMARELO - Hasabe (Japão).

ÁRBITRO - Pedro Proença (Fifa/Portugal).

RENDA - Não disponível.

PÚBLICO - 64.815 pagantes (67.823 no total).

LOCAL - Estádio Nacional (Mané Garrincha), em Brasília (DF).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.