Divulgação/FIVB - 20/8/2011
Divulgação/FIVB - 20/8/2011

Brasil estreia contra a Itália na fase final

Time está invicto em 2011 e espera jogo disputado contra tradicionais rivais

Rafael Vergueiro, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2011 | 00h00

MACAU - A seleção brasileira feminina de vôlei está invicta em 2011, com 19 vitórias. Mas há quem diga que a temporada para valer começa nesta semana, com a fase decisiva do Grand Prix, em Macau, na China. O Brasil estreia na madrugada de quarta-feira, às 2h30 (de Brasília, com Globo, SporTV e Esporte Interativo), diante da Itália.

"Jogar contra a Itália sempre vai ser difícil. Elas têm um bom volume de jogo, além de serem atletas com grande experiência internacional. Será uma partida muito igual", afirma o técnico brasileiro José Roberto Guimarães.

Mas o retrospecto das brasileiras contra as italianas nesta temporada é bom. Em dois confrontos, um em torneio amistoso e outro já no Grand Prix, foram duas vitórias do Brasil.

Mesmo assim, a ponteira Fernanda Garay, destaque do Brasil na fase de classificação do Grand Prix, não acredita em jogo fácil.

"As italianas estão com um time mais experiente do que quando jogamos no Casaquistão (pela fase classificatória do Grand Prix). Acredito que essa semana é um campeonato novo, onde cada jogo é uma final. Todos os times vão se reforçar porque são jogos decisivos."

Difícil. A chave da seleção brasileira nas finais do Grand Prix é considerada complicada. Depois de enfrentar a Itália, as comandadas de Zé Roberto pegam Japão e Estados Unidos, respectivamente, nas madrugadas de quinta e sexta-feira.

A seleção caiu no "grupo da morte" mesmo tendo obtido a melhor campanha da fase classificatória. Isso porque o regulamento posiciona, em primeiro lugar para a etapa final, a seleção anfitriã, no caso, a China.

O Brasil precisa ficar pelo menos em segundo lugar no Grupo B para ir às semifinais, no fim de semana.

No Grupo A estão Rússia, Sérvia, China e Tailândia. O Brasil, maior campeão da história do torneio, com oito títulos, luta para recuperar a hegemonia. No ano passado, as norte-americanas levantaram o troféu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.