Sean Rowland/WSL
Sean Rowland/WSL

Brasil faz dobradinha na etapa de Trestles e fatura título no masculino e feminino

Filipe Toledo e Silvana Lima vencem no Circuito Mundial de Surfe

O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2017 | 16h38

O Brasil deixou sua marca em Trestles, na oitava etapa do Circuito Mundial de Surfe no masculino e sétima no feminino. Filipe Toledo e Silvana Lima fizeram a dobradinha brasileira na Califórnia e uma festa da torcida nacional presente. Os dois disputaram um campeonato impecável e ganharam pontuação preciosa no ranking mundial.

Filipe Toledo fez uma final bastante equilibrada com o sul-africano Jordy Smith e levou a melhor em mais um dia de ondas pequenas. O resultado colocou o atleta mais perto do líder, justamente seu rival na bateria. A vitória foi por 15,67 contra 9,80. Os minutos finais foram tensos, mas não veio nenhuma boa onda para o sul-africano.

  "É realmente um momento especial. Ir para a final contra o Jordy, que me venceu na última vez, é muito bom. Muitos amigos estão aqui, minha família está presente, e ainda mais teve a vitória da Silvana. Foi muito legal para os brasileiros", comentou Filipinho, enquanto os fãs ao fundo gritavam: "Uh, é dobradinha".

O surfista de Ubatuba, que mora na Califórnia, gostou da forma como pensou a final e agora espera chegar ao topo. "Minha estratégia funcionou, tive de manter a calma e pegar as ondas certas. Sou o único surfista que venceu dois eventos no ano e espero manter o ritmo. Meu objetivo é tentar ir mais longe ainda, vamos ver o que vai acontecer na temporada", disse.

No feminino, Silvana Lima deu um show durante a etapa, vencendo todas suas baterias e chegando ao título com grande mérito. "Vim para cá com a intenção de me divertir, porque adoro essa onda. Me senti muito confiante e ainda não estou acreditando nesta vitória", confessou a brasileira.

Ela ganhou na decisão da australiana Keely Andrew por 17,60 pontos contra 10,93 da adversária. A façanha é muito grande até porque uma brasileira não ganhava uma etapa do Circuito Mundial desde 2010. Na ocasião, a própria Silvana venceu uma etapa da elite no Peru.

Aos 32 anos, Silvana tenta reencontrar sua boa forma e espera colher mais frutos ainda no restante da temporada, na qual não vinha bem. Que felicidade enorme eu estou sentindo. Desde o começo fiquei pensando que aqui é um lugar especial, pois tem uma onda que parece uma pista de skate. A hora chegou, sou campeã", vibrou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.