Brasil fica sem medalhas na estreia do golfe no programa pan-americano

O Brasil enviou a Toronto o seu melhor golfista profissional, aquele que deve ser seu representante nos Jogos Olímpicos do Rio, mas ficou sem medalha na estreia do golfe no programa do Pan. O melhor resultado foi exatamente de Adilson da Silva, que terminou em oitavo no masculino, empatado com o campeão brasileiro amador André Tourinho.

Estadão Conteúdo

19 de julho de 2015 | 17h45

Radicado na África do Sul, onde disputa o circuito profissional africano, Adilson fechou o campo deste domingo em 72 tacadas, exatamente o par do campo (precisou das 72 tacadas previstas para completar o circuito de 18 buracos). Tourinho teve o mesmo resultado.

Os brasileiros precisaram de 286 tacadas para fechar os quatro campos, entre quinta-feira e domingo. Ficaram bastante atrás do campeão, o colombiano Marcelo Rozo, número 527 do ranking mundial, que precisou de 275 tacadas. Tommy Cocha (413.º) garantiu a prata para a Argentina e Felipe Aguilar (218.º), chileno que liderou os três primeiros dias, terminou com o bronze. Adilson é o 313.º do mundo e atualmente ficaria com a 58.ª e antepenúltima vaga nos Jogos Olímpicos.

No feminino, a amadora Clara Teixeira foi só a 28.ª colocada entre 30 participantes. Luiza Altmann foi desclassificada no primeiro dia, mas seus resultados seguiram contando na disputa em duplas mistas. Luiza é a atual campeã brasileira amadora. Clara, a vice.

Nas duplas mistas, em que é considerado o melhor resultado masculino e o melhor feminino do dia, o Brasil foi só o nono colocado, com 17 tacadas acima do par. A Colômbia ganhou o ouro também no feminino e na competição mista. Os EUA faturaram duas pratas, enquanto o Paraguai ganhou um bronze e a Argentina outro.

Tudo o que sabemos sobre:
Jogos Pan-Americanosgolfe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.