Brasil ganha Pan juvenil de handebol

O Brasil repetiu, com as equipes juvenis de handebol (16 a 18 anos), os dois ouros que já tinha conseguido com as principais, em São Domingos. Disputando com a Argentina a supremacia pan-americana, a seleção nacional levou vantagem, vencendo as partidas do masculino e feminino realizadas na tarde deste domingo no Ginásio Ney Braga, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. No sul-americano de cadete (até 16 anos), o Brasil também venceu a Argentina na disputa feminina, mas perdeu a medalha de ouro, para o mesmo adversário, no masculino. As meninas do Brasil mostraram a superioridade no pan-americano desde o início da competição. Neste domingo, apenas confirmaram o bom equilíbrio entre a força de ataque e a segurança na marcação, batendo as argentinas por 39 a 23. O terceiro lugar foi conquistado pelo Chile, seguido por Uruguai, Paraguai, Canadá, Groenlândia e Porto Rico. Os homens tiveram um pouco mais de dificuldade, conseguindo vencer por 31 a 29 a partida decisiva. Foi um jogo típico dos melhores duelos entre Brasil e Argentina, com muito equilíbrio e determinação. O primeiro tempo terminou com empate por 14 a 14. Somente a partir dos 15 minutos do segundo tempo, o Brasil abriu a vantagem que manteve até o fim da partida. O terceiro lugar ficou com o Chile, seguido pelo Uruguai, Groenlândia, Canadá e Paraguai. No cadete, a seleção feminina confirmou o favoritismo e venceu a Argentina por 30 a 17. Mostrando mais técnica, as meninas dominaram todo o jogo, não deixando que as argentinas esboçassem reação. No primeiro tempo a vantagem já era de 11 gols. No segundo, apenas manteve o ritmo. A medalha de bronze ficou com o Uruguai, seguido por Paraguai e Chile. No masculino, a Argentina, que já tinha vencido o Brasil na primeira fase por 25 a 13, repetiu a dose na partida decisiva, vencendo por 20 a 16. O selecionado brasileiro até melhorou um pouco a performance em relação ao primeiro jogo, mas não foi o suficiente para superar o adversário. No primeiro tempo, os argentinos já tinham aberto três pontos de vantagem. Depois, preocupou-se apenas em segurar a diferença para sair com a medalha de ouro. O bronze ficou com o Uruguai, que venceu o Chile pela diferença de apenas um gol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.