Brasil leva 2 a 0 e pode se despedir hoje da Davis

Guga e Sá têm a responsabilidade de tentar manter o País no confronto

Chiquinho Leite Moreira, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2022 | 00h00

Com os 2 a 0 de desvantagem no primeiro dia do confronto diante da apenas razoável Áustria, com a agravante de não ter vencido nenhum set nos dois jogos de simples, o tênis brasileiro parece não reunir condições, pelo quinto ano seguido, de voltar ao Grupo Mundial da Copa Davis. Sem ao menos um jogador entre os cem primeiros do ranking e com Gustavo Kuerten mais próximo da aposentadoria, agora assumida, os brasileiros devem se contentar mesmo com disputas regionais, contra países como Uruguai, Paraguai e Colômbia. Thomaz Bellucci, de 19 anos, a esperança de dias melhores para o Brasil, não decepcionou na estréia na Davis. Mas sentiu a responsabilidade e, ansioso em alguns momentos, acabou cedendo seus serviços mais por erros cometidos do que por acertos do rival. Perdeu de Jurgen Melzer, jogador de melhor ranking deste confronto, 42º, por 6/4, 6/4 e 6/4. "Valeu a experiência", disse Bellucci (248º). "Tenho de melhorar muito para chegar ao nível desses jogadores."No jogo seguinte, Ricardo Mello (204º) deixou evidente não ter nível para acompanhar o ritmo de tenistas mais bem classificados e perdeu de Stefan Koubek (52º), jogador sem grandes virtudes, por 6/2, 6/3 e 6/3. Para ainda sonhar com a improvável vaga no Grupo Mundial, o Brasil precisa ganhar os três próximos jogos, começando pelas duplas, hoje. Às 9 horas de Brasília (SporTV), Gustavo Kuerten e André Sá revivem sua parceria diante de Julian Knowle e Jurgen Melzer. Guga só entrou no time por causa da ausência de Marcelo Melo. "A dupla será decisiva", disse o técnico Chico Costa, que tem a obrigação de acreditar no Brasil. Em Praga, Roger Federer venceu Radek Stepanek por 6/2, 6/3, 6/7 e 7/6. Em Belgrado, Novak Djokovic deu o primeiro ponto à Sérvia com 6/1, 6/4 e 6/2 sobre o australiano Peter Luczak. Pelas semifinais do Grupo Mundial, em Gotemburgo, Suécia e EUA empatam por 1 a 1. Em Moscou, também 1 a 1 entre Rússia e Alemanha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.