EFE
EFE

Brasil leva prata na disputa por equipes da maratona aquática

Trio de nadadores brasileiros fica em segundo no Mundial de Kazan

Estadão Conteúdo

30 de julho de 2015 | 09h29

A maratona aquática rendeu ao Brasil a sua segunda medalha no Mundial de Esportes Aquáticos, que está sendo realizado em Kazan, na Rússia. Nesta quinta-feira, o trio formado por Ana Marcela Cunha, Allan do Carmo e Diogo Vilarinho ficou em segundo lugar na disputa de 5 quilômetros por equipes, empatado com a Holanda, e faturou a medalha de prata.

Os brasileiros marcaram o tempo de 55min31s2, assim como a equipe holandesa, composta por Marcel Schouten, Ferry Weertman e Sharon van Rouwendaal. Já a Alemanha venceu o evento pela segunda vez consecutiva, com o trio formado por Rob Muffels, Christian Reichert e Isabelle Harle, que completou a disputa em 55min50s6.

Quem mais se aproximou do Brasil e da Holanda na disputa pelas medalhas foi a Itália, que terminou em quarto lugar, com 55min49s4, que foi seguida de perto pelo trio norte-americano, o quinto colocado, com 55min50s6.

Na edição anterior do Mundial, em 2013, o Brasil também subiu ao pódio na disputa por equipes da maratona aquática, tendo ficado com a medalha de bronze naquela oportunidade, na competição realizada em Barcelona. O trio há dois anos foi composto por Poliana Okimoto, Samuel de Bona e Allan do Carmo.

"Nós mudamos completamente a estratégia. Primeiro eu e o Diogo não estávamos. Em Barcelona o Allan puxou o ritmo o tempo todo. Desta vez o Allan puxou na primeira volta toda, o Diogo a metade da segunda e depois o Allan finalizou. Nós observamos muito o time alemão e aprendemos muito com eles em 2013", disse Ana Marcela.

Antes dessa medalha, o Brasil já havia subido ao pódio outra vez em Kazan, com Ana Marcela, bronze na disputa feminina dos 10 quilômetros da maratona aquática. O resultado a classificou para a Olimpíada de 2016, assim como Poliana Okimoto, que ficou em sexto lugar na mesma prova. Allan do Carmo também obteve a vaga olímpica ao ser o nono colocado na disputa masculina dos 10 quilômetros. Por isso, os brasileiros têm muito o que comemorar em Kazan, como destacou Allan do Carmo.

"A prova foi boa, estávamos muito motivados e tentando puxar a Ana Marcela, cada vez mais forte e ela acompanhando. Sentíamos que podíamos conseguir mais uma medalha. Esse resultado é fruto de muito esforço. Cada atleta fazendo seu trabalho, toda a estrutura que temos, com nossas equipe multidisciplinares e o acompanhamento, vem gerando grandes resultados. Esse ano o foco era classificar para as Olimpíadas e de quatro possibilidades conseguimos três, o que foi muito bom para o Brasil. Ainda temos os 25km, com Ana Marcela que já foi campeã da prova e eu o Diogo muito motivados. Acho que vocês podem esperar boas coisas ainda", disse.

As disputas da maratona aquática no Mundial se encerram no próximo sábado com a prova dos 25 quilômetros. O Brasil será representado por Ana Marcela Cunha, Betina Lorscheitter, Allan do Carmo e Diogo Villarinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.