Mohammed Dabbous/Reuters
Mohammed Dabbous/Reuters

Brasil leva sufoco do Chile, mas vai às oitavas do Mundial de Handebol

Equipe joga mal, vira no fim da partida e garante vitória por 30 a 22, resultado suficiente para avançar e ter a Croácia como adversária

Vítor Marques, enviado especial a Doha, O Estado de S. Paulo

23 de janeiro de 2015 | 13h53

A maneira como a seleção brasileira de handebol conquistou sua vaga nas oitavas de final, nesta sexta-feira, vale mais como alerta do que como comemoração. O Brasil avançou no Mundial Masculino do Catar jogando mal a maior parte do tempo contra o pior time do Grupo A, o Chile. Mesmo assim, conseguiu vencer a partida por 30 a 22. Essa diferença de oito gols só foi obtida na parte final do confronto.

Se em jogos anteriores, o time de Jordi Ribera viu pontos positivos nas derrotas para Espanha e Eslovênia, a partida contra os chilenos foi marcada por aspectos negativos. E deixa uma dúvida no ar: o Brasil, que ficou com a quarta vaga do Grupo A, está preparado para iniciar a fase decisiva do Mundial contra a Croácia, melhor time do Grupo B?

Ninguém ganha jogo de véspera. O favoritismo do Brasil diante do Chile evaporou. No primeiro tempo, a seleção brasileira colecionou erros. Predominaram, sobretudo, as falhas no ataque - o aproveitamento foi baixo, de apenas 55%.

Ribera pediu tempo logo aos nove minutos, com 5 a 2 contra. Pouco adiantou. Na metade da etapa inicial, com 15 minutos de jogo, a seleção brasileira só havia feito cinco gols.

Nervosos, os jogadores brasileiros desperdiçavam contra-ataques. O ponta Borges chegou a reclamar com companheiros do time. No banco, Ribera não acreditava no desempenho de seus jogadores. Resultado parcial: 13 a 12 para o Chile, para quem o Brasil jamais havia perdido.

No segundo tempo, a seleção brasileira continuou passando sufoco. Custou a virar o placar e só abriu uma vantagem considerável quando o jogo entrou em sua parte final. O Chile, cansado, chegou a ficar com dois jogadores a menos na quadra por suspensão. Com sete gols, Zeba foi o artilheiro do Brasil.

Assim, ao menos a seleção brasileira consegue repetir o desempenho do Mundial de 2013, na Espanha, quando também alcançou às oitavas de final e terminou a competição em 13º lugar - até agora é a melhor colocação do Brasil em Mundiais.

* O repórter viajou ao Mundial a convite da Federação Internacional de Handebol

Tudo o que sabemos sobre:
handebolMundial MasculinoBrasilChile

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.