Brasil pára no paredão cubano e só leva a prata

Em processo de renovação, a seleção brasileira masculina de vôlei caiu na final da Copa América, ontem, em Cuiabá, diante de um jovem time cubano liderado pelo central Simon, maior pontuador do torneio. Cuba sagrou-se bicampeã ao vencer os comandados de Bernardinho por 3 sets a 2, com parciais de 26/24, 19/25, 27/25, 16/25 e 15/9.Foi o segundo fracasso consecutivo da seleção brasileira em torneios internacionais disputados em solo nacional. No fim de julho, a equipe fora eliminada nas semifinais da Liga Mundial, em pleno Maracanãzinho, no Rio, pelos Estados Unidos. Pouco tempo depois, os americanos voltariam a superar o time brasileiro na final olímpica, em Pequim. O Brasil entrou ontem em quadra dono de uma campanha irrepreensível na Copa América. Sem perder nem um set sequer, a equipe de Bernardinho contava ainda com o apoio de uma entusiasmada platéia composta por 11 mil pessoas, lotação máxima do Ginásio Aecim Tocantins, na capital mato-grossense, palco da decisão. Mas nem isso foi suficiente para evitar nova decepção.Bernardinho formou o time-base com Bruninho, Murilo, Dante, André Nascimento Rodrigão e Éder. E lançou mão de algumas variações ao longo da partida, mas insuficientes para evitar uma derrota dramática e inesperada para os cubanos. Além de contar com Simon e Leon em partida inspirada, a equipe caribenha exerceu forte marcação em cima de Dante e André Nascimento, os principais jogadores brasileiros. Sob um calor com pico de 37 graus, o jogo começou bastante equilibrado. Após alternarem-se no placar, com o Brasil à frente boa parte do tempo, os cubanos fecharam o primeiro set em 26/24. Os comandados de Bernardinho melhoraram no segundo e, mais concentrados, empataram o jogo, com boa atuação na defesa e no saque.Mas Cuba voltou a impor-se ofensivamente, fortaleceu o bloqueio e equilibrou as ações no terceiro set. O time brasileiro até teve o set point nas mãos, quando o placar apontava 24 a 23. Mas parou no paredão caribenho. Nervoso, o Brasil passou a errar saques e cedeu a virada: 27 a 25 para os cubanos. Veio o quarto set e, enfim, os vice-campeões olímpicos dominaram os rivais. Aparentemente alheio à partida, o time cubano ofereceu pouca resistência ao Brasil, que fez 25 a 16 e levou a decisão para o tie-break.Cuba, porém, retomou o domínio no set inapelável e matou o jogo com 15 a 9. Os brasileiros, mais uma vez, tiveram de se consolar com a medalha de prata. Em confrontos diretos, foi o terceiro revés de Bernardinho à frente da seleção em 12 partidas contra os caribenhos.A disputa do terceiro lugar reuniu as seleções argentina e venezuelana. E deu Venezuela por 3 sets a 0 (25/19, 25/16 e 25/16), melhor desempenho da história do time no torneio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.