Felipe Trueba/EFE
Felipe Trueba/EFE

Brasil passa das 200 medalhas nos Jogos Sul-Americanos, no Chile

Neste domingo, o handebol garantiu a vaga para o Pan e o atletismo fechou sua participação com 41 conquistas

Nathalia Garcia, , enviada especial – O Estado de S. Paulo

16 de março de 2014 | 22h40

SANTIAGO - O Brasil manteve a boa média nos Jogos Sul-Americanos, em Santiago, e neste domingo atingiu a marca das 218 medalhas conquistadas. No total, o País soma 91 de ouro, 61 de prata e 66 de bronze e mantém a vantagem sobre a vice-líder Colômbia (153). A briga pelo terceiro lugar continua acirrada entre Venezuela e Argentina. Os venezuelanos contabilizam 135 medalhas (41 douradas) contra 127 (36 de ouro) dos argentinos.

Em um jogo disputado de duas prorrogações, a seleção masculina de handebol superou a Argentina pelo apertado placar de 25 a 23, em Viña del Mar. Com o resultado, a equipe garantiu a vaga nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, em 2015.

O atletismo voltou a colecionar medalhas e totalizou 41 conquistas em quatro dias. Os representantes dos revezamentos 4x400 metros masculino e feminino subiram ao lugar mais alto do pódio. As outras medalhas de ouro vieram com Kleberson Davide, nos 800 metros, e Jonathan Henrique Silva, no salto triplo, prova que também rendeu a prata a Jefferson Sabino. Nos 5.000 metros, Joilson Silva ficou com o segundo lugar, assim como Ronald Julião no lançamento de disco. Lutimar Paes e Christiane Ritz, nos 800 metros, levaram os bronzes.

Outra modalidade que ajudou o País no quadro neste domingo foi o tênis de mesa com as provas individuais. No masculino, Gustavo Tsuboi e Cazuo Matsumoto faturaram o ouro e a prata, respectivamente. Já Caroline Kumahara e Jéssica Yamada levaram os bronzes para o feminino.

"Nós treinamos juntos durante as competições e até no clube (São Caetano do Sul). Cada um sabe o que o outro tem de melhor. Confesso que é um pouco desconfortável enfrentá-lo e acho que venceu aquele que foi mais regular", avaliou Tsuboi.

O hipismo também encerrou a sua participação com novas vitórias. O carioca Felipe Amaral montando Premiere Carthoes foi o grande campeão com apenas 4.20 pontos perdidos. A medalha de prata ficou com César Almeida (Imperio Egipcio Vanity), e o mineiro Sérgio Marins (Landpeter) completou o pódio brasileiro.

"Foi muito emocionante porque foi decidido no último obstáculo. Meu cavalo foi espetacular, saltou super bem e não cometeu nenhuma falta durante toda a competição. Estou muito contente com o resultado e espero que esta boa fase do meu cavalo continue na Europa", disse Felipe.

Com 489,95 pontos na plataforma 10 metros, Hugo Parisi bateu o seu recorde pessoal nos saltos ornamentais e conquistou a medalha de ouro no Chile. Já o brasileiro Rui Marinho terminou apenas na quinta posição.

"Estou bastante feliz com o resultado e por conseguir um título desse para o Brasil. Meus adversários não são fracos, a gente vê pelo nível da pontuação de todo mundo. Mostra que o nível da América do Sul está subindo", afirmou Parisi.

Depois de uma partida acirrada, Paula Gonçalves levou a melhor no tênis. A brasileira não se intimidou com o favoritismo de Cepede Royg e conseguiu a vitória por 2 sets a 1, com parciais de 6/1, 4/6 e 6/4, para garantir a medalha dourada. "Foi uma semana incrível, vim jogando muito bem desde o primeiro dia. Jogar competições defendendo o Brasil é uma sensação diferente e mais uma vez eu mostrei, dei meu máximo e estou muito feliz de ter levado mais uma medalha de ouro", festejou.

Enquanto algumas modalidades estão deixando Santiago, outras estão apenas começando a competir. Esse é o caso da maratona aquática e do taekwondo. Na primeira, Allan do Carmo sagrou-se campeão na prova de 10 km e Ana Marcela Cunha terminou na terceira posição. No dojang, três medalhas de pratas foram conquistadas com Júlia Vasconcelos (até 67Kg), Natália Falavigna (acima de 67kg) e Douglas Marcelino (acima de 80 kg).

"A adversária era muito baixa e meus chutes acabaram passando muito por cima. Falta ritmo de luta, mas fiz aquilo que eu pude dentro das possibilidades que tinha. Tive um dia bacana. Não foi a medalha que eu queria, mas em termos de luta tenho de ter os pés no chão", comentou Falvigna.

Um resultado expressivo foi obtido pelo levantamento de peso. O brasileiro Fernando Reis (acima de 105 kg) quebrou dos Jogos Sul-Americanos com 407 kg e ficou com o ouro. Já Marco Machado (94kg) e Monique Araújo (75kg) levaram as pratas.

Na esgrima, a equipe feminina de florete também terminou no segundo lugar com a derrota para Venezuela por 45 a 37. O resultado não agradou Gabriela Cecchini, Taís Rochel, Nicole Camozzato e Christine Botros. "Saímos com aquela cara um pouco triste porque já ganhamos delas uma vez, no Mundial. O vice-campeonato foi um bom resultado, não foi ruim. Dava para ter ganhado? Dava. Mas tem a próxima", disse Taís.

A equipe feminina de hóquei sobre grama encerrou a sua participação nos Jogos Sul-Americanos na 4.ª posição após ser superada pelo Uruguai por 3 a 0 na disputa pelo bronze. Com a derrota para a Venezuela por 3 a 2, o time masculino também não subiu ao pódio e ficou em 4.º lugar.

O futebol feminino se despediu da competição com a medalha de bronze após a vitória por 2 a 0. O último bom resultado do dia foi do futsal com o triunfo do Brasil por 2 a 0 sobre a Argentina. Assim, a seleção fica bem próxima da medalha de ouro e só precisa de uma vitória sobre o Chile nesta segunda-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.