Patrik Stollarz/AFP
Patrik Stollarz/AFP

Brasil perde da Espanha e não tem mais chance de título no Mundial de Handebol

Equipe brasileira volta à quadra na próxima quarta-feira, para medir forças contra a Islândia

Redação, Estadao Conteudo

21 Janeiro 2019 | 17h59
Atualizado 21 Janeiro 2019 | 20h51

Um dia depois de surpreender a Croácia, a seleção brasileira masculina de handebol não teve forças nesta segunda-feira para conseguir outro resultado histórico no Mundial, que está sendo realizado na Alemanha. Pela segunda rodada da segunda fase, o Brasil foi derrotado pela Espanha, atual campeã europeia, por 36 a 24 (19 a 13 no primeiro tempo), na Lanxess Arena, em Colônia, e não tem mais chances de avançar às semifinais.

Com dois pontos no Grupo 1, a equipe comandada pelo técnico Washington Nunes segue na quinta colocação, atrás dos favoritos Alemanha, França, Croácia e Espanha. O Brasil ainda volta à quadra nesta quarta-feira, às 12h30 (de Brasília), para medir forças contra a Islândia, em uma partida em que tentará se classificar ao torneio de consolação, que definirá entre o quinto e o oitavo colocado do Mundial. Para isso, precisa vencer e torcer por uma derrota da Croácia para a Alemanha.

Em todo caso já é a melhor campanha do Brasil na história do Mundial de handebol masculino, com quatro vitórias e três derrotas até aqui. Perdeu as duas primeiras para França e Alemanha e depois superou três tradicionais equipes europeias (Sérvia, Rússia e Croácia), além do time unificado das Coreias.

Quem se destacou na partida desta segunda-feira foi o goleiro espanhol De Vargas, que esfriou o ímpeto ofensivo brasileiro. Os inúmeros contra-ataques dados aos europeus por conta de erros no ataque fizeram com a desvantagem no placar para o Brasil só aumentasse durante o duelo.

Os espanhóis Solé e Arino foram os artilheiros do confronto com seis gols cada. Cañellas, eleito o melhor do jogo, também se destacou com cinco. Pelo lado do Brasil, Haniel e Raul Nantes anotaram quatro gols cada.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.