Brasil perde da Grã-Bretanha com 70 mil em Wembley

Donas da casa perderam pênalti, mas garantiram o 1 a 0 e o primeiro lugar do grupo nos Jogos de Londres

BRUNO CHAZAN, O Estado de S. Paulo

31 de julho de 2012 | 17h56

LONDRES - A seleção brasileira teve nesta terça-feira a honra de protagonizar o primeiro jogo oficial de futebol feminino dos 123 anos do estádio de Wembley, o templo do futebol inglês. Mas foi justamente ali que Marta e suas companheiras perderam a invencibilidade na Olimpíada de Londres. Diante de um público de 70.584 torcedores, o time brasileiro perdeu por 1 a 0 da Grã-Bretanha e ficou na segunda colocação do Grupo E. A derrota lhe reservou nas quartas de final um ingrato confronto com o Japão, atual campeão mundial, marcado para sexta-feira, em Cardiff, às 13h (de Brasília).

Depois de terem jogado as duas primeiras partidas em estádios praticamente vazios, as brasileiras pareciam intimidadas com a imponência de Wembley. Empolgadas pelo frenético apoio vindo das cadeiras, as donas da casa se atiraram ao ataque e abriram o placar antes do segundo minuto de jogo. A lateral-esquerda Houghton recebeu na área e teve a calma de uma atacante para driblar a goleira Andreia e marcar seu terceiro gol na Olimpíada - e o primeiro sofrido pelo Brasil.

A seleção se refez do susto rapidamente e teve três boas chances para empatar, todas com Cristiane. Na primeira, ela entortou duas vezes uma britânica na meia-lua e bateu rente à trave esquerda. Depois, recebeu em boa condição na área, mas se afobou com a chegada da marcação e chutou torto. Aguerrida, a camisa 11 ainda levou perigo num lance em que girou diante da zaga e chutou nas mãos da goleira Bardsley. O empate brasileiro também quase saiu numa cabeçada da zagueira britânica Scott contra a própria trave.

Mesmo com a desvantagem no placar, o técnico Jorge Barcellos gastou duas substituições no intervalo para fortalecer o lado direito da defesa brasileira: saíram a meia Maurine, improvisada na lateral, e a zagueira Bruna, para a entrada de Daiane e Aline, respectivamente. O problema é que as mudanças se mostraram desastrosas - em dez minutos as britânicas criaram mais chances do que em todo o primeiro tempo.

A "craque" do time, Kelly Smith, perdeu gol feito ao cabecear nas mãos de Andreia quando estava sozinha na pequena área. Depois, Aluko, também sem marcação, recebeu na área e bateu torto. Estava fácil. A mesma Aluko foi lançada no meio da zaga e acabou atropelada por Francielle na área. Pênalti que Smith bateu e Andreia espalmou no canto esquerdo.

Estava mais do que na hora de a melhor jogadora do mundo por cinco anos seguidos chamar a responsabilidade. E Marta fez sua primeira jogada individual na partida aos 15 minutos, quando dominou a bola na coxa, limpou a zaga e bateu forte, mas Bardsley defendeu com o pé. E parou por aí. Bem marcada, a camisa 10 não conseguiu mais levar vantagem em nenhum lance e sofreu com a sucessão de passes errados das companheiras. Barcellos ainda tentou dar mais força ofensiva ao time com a entrada de uma terceira atacante, Grazielle, mas o público que quase lotou Wembley não precisou nem se preocupar. O único lance de perigo a favor do Brasil foi um chute da lateral-esquerda Rosana defendido sem dificuldade por Bardsley, já nos acréscimos.

DEMAIS RESULTADOS - No outro jogo da chave do Brasil, a Nova Zelândia fez 3 a 1 em Camarões, em Coventry, e avançou como uma das melhores terceiras colocadas. Atuais tricampeãs olímpicas, as americanas venceram a Coreia do Norte por 1 a 0 e se classificaram na liderança do Grupo G. A França pegou a segunda vaga dessa chave com um triunfo também pelo placar mínimo diante da Colômbia. Pelo Grupo F, o Japão empatou sem gols com a África do Sul e terminou na segunda colocação, atrás da Suécia, que ficou no 2 a 2 com o Canadá.

Os confrontos de quartas de final serão: Suécia x França, Brasil x Japão, Estados Unidos x Nova Zelândia, Grã-Bretanha x Canadá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.