Brasil perde no polo aquático e deve ficar na lanterna

O Brasil praticamente deu adeus às chances de conseguir a terceira posição na sua chave na disputa feminina do polo aquático no Mundial de Esportes Aquáticos de Barcelona. Nesta terça-feira, no único jogo em que tinha condições técnicas de conseguir uma vitória, a seleção brasileira foi derrotada por 9 a 5 pelo Casaquistão.

AE, Agência Estado

23 de julho de 2013 | 14h48

No Grupo D do Mundial, o Brasil já levou 20 a 6 da Hungria e ainda terá pela frente a Itália, escola mais tradicional do polo aquático feminino, na quinta. Assim, tem tudo para terminar no último lugar da sua chave. Desta forma, vai ter que enfrentar a campeã do Grupo C nas oitavas de final.

Desde antes da competição a equipe tratava o jogo contra o Casaquistão como mais importante do Mundial. Há dois anos, os dois times disputaram o 13º em Xangai, com o Brasil sendo derrotado exatamente pelo mesmo placar desta terça-feira, 9 a 5.

Em Barcelona, o Brasil até começou bem o jogo, terminando o primeiro quarto empatado em 2 a 2. Mas as asiáticas depois abriram três gols, as brasileiras perderam um pênalti, e não conseguiram reagir. A juvenil Isabella Chiappini, com três gols, terminou com artilheira brasileira e chegou a cinco no Mundial.

"Cometemos muitos erros, e tomamos muitos contra-ataques, o que desorganizou a defesa, após um bom início. Talvez este equilíbrio inicial tenha desconcentrado o time. E hoje (terça) tinha que dar, era uma cobrança nossa, mas vai ficar para a próxima", lamentou Marina Zablith.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.