Brasil pode sediar Mundial de Golfe

Em busca de um ?Guga? para o golfe nacional e de um mote especial para o lançamento do seu novo empreendimento no Brasil, o milionário norte-americano Donald Trump já deu sinal verde a seu representante no País, Ricardo Bellino, comunicar a PGA Tour e acertar os detalhes junto com a Confederação Brasileira de Golfe (CBG) para o Brasil sediar a Copa do Mundo de Golfe em 2006, com a participação dos melhores jogadores do mundo, inclusive o número 1 do ranking Tiger Woods.Segundo Bellino, a entidade que organiza as competições oficiais do esporte pelo mundo está com o calendário livre nessa época e, num primeiro contato, liberaria sem problemas as datas para que o torneio viesse para o Brasil, mediante um investimento mínimo de US$ 6 milhões. ?Estamos compromissados a arcar com essa quantia e assim pagar a bolsa de prêmios e preparar a infra-estrutura para a realização da competição?, revela Bellino, com exclusividade à Agência Estado. Entre os países sul-americanos, apenas a Argentina abrigou a competição, em 2000.A Confederação Brasileira de Golfe (CBG) vê com bons olhos a idéia dos empresários e assina nesta terça-feira à tarde, na sede da entidade, uma carta de intenções com a Trump Realty Brazil para viabilizar diversos torneios patrocinados pela empresa até a inauguração da Villa Trump, empreendimento imobiliário que deve ser o principal palco do Mundial. ?Sem dúvidas estamos muito entusiasmados. Sediar uma Copa do Mundo de Golfe colocaria o Brasil definitivamente no mapa do esporte?, comemora o presidente da CBG, Pedro Cominese.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.