Adrian Dennis/AFP
Adrian Dennis/AFP

Brasil tem como meta ir à Copa do Mundo de Rúgbi em 2023

Para popularizar a modalidade, confederação fará diversas ações

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

17 de setembro de 2015 | 07h10

O projeto do Brasil é estar na Copa do Mundo de Rúgbi em 2023, ou seja, daqui a duas edições. Mas para tentar popularizar a modalidade, a CBRu fará ações nas redes sociais, em bares temáticos e até na final do Super 8, quando após a partida um telão exibirá a final do torneio. “Faremos a final do Campeonato Brasileiro da 1ª Divisão no mesmo dia da final, em um horário mais cedo. A ideia é colocar um telão depois da partida para que a torcida possa ficar e assistir à decisão da Copa do Mundo, fazendo do dia uma festa de rúgbi”, explica Agustín Danza, CEO da CBRu (Confederação Brasileira de Rugby).

O dirigente lembra que a entidade fará várias ações para aproveitar o momento de disputa da Copa do Mundo. "Teremos o House of Rugby, uma casa ambientada especificamente para assistir aos principais jogos da Copa. Terá um bar, um microcinema, um lounge e até uma cabine de comentaristas para ESPN. A ideia é oferecer uma experiência única e diferenciada para quem queira assistir à competição. Em termos de divulgação, faz um mês que já começamos com este trabalho online. Além disto, estamos realizando um trabalho de divulgação com nossos patrocinadores, ações em restaurantes do Outback e pubs da Heineken, e através da nossa assessoria de imprensa com as diferentes mídias", conta.

Para tornar o objetivo de ir pela primeira vez a uma Copa do Mundo, a confederação está trabalhando em duas frentes: detecção e formação de talentos, e disputa de partidas internacionais. A ideia é ter uma base grande para escolher os melhores e dar a ela experiência para enfrentar as grandes equipes. “O objetivo é que os jogadores possam ter uma quantidade importante de jogos por ano para poder implementar e desenvolver as habilidades treinadas, além da tomada de decisão”, conclui Danza, ciente de que a meta é ambiciosa.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.