Wander Roberto/COB
Wander Roberto/COB

Brasil tem o melhor aproveitamento de vagas olímpicas entre os países no Pan

Em Lima, a delegação nacional já conquistou 22 lugares para Tóquio

Paulo Favero, enviado especial a Lima, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2019 | 04h32

O Brasil é o país com o melhor aproveitamento de vagas olímpicas nos Jogos Pan-Americanos até o momento. Em Lima, a delegação nacional já conquistou 22 lugares para os Jogos de Tóquio, o maior número absoluto entre as 41 nações participantes de competição, à frente até dos Estados Unidos.

Das vagas que um comitê olímpico nacional poderia conquistar até o momento, o Time Brasil obteve um total de 34,38%, à frente dos Estados Unidos (13 vagas e 20,31%) e Canadá (11 vagas e 17,19%). Até o fim do Pan serão distribuídas 175 vagas olímpicas, mas um mesmo país poderá obter no máximo 145.

O aproveitamento do Brasil só não é maior porque o time masculino de handebol acabou perdendo a semifinal para o Chile no domingo e ficou fora da decisão do Pan pela primeira vez desde a edição de 1987, quando acabou na terceira posição. Isso significa 14 vagas a menos para Tóquio por enquanto.

Outra frustração veio no tiro esportivo com Julio Almeida, na prova de pistola de ar 10m. O brasileiro liderava até o 20º de 24 tiros, mas errou a mira no final e acabou ficando na terceira posição, atrás do cubano Jorge Grau, medalha de ouro, e de Nickolaus Mowrer, dos Estados Unidos. Como só os dois primeiros garantiram a vaga para Tóquio, ele ficou bem perto, mas não conseguiu carimbar seu passaporte.

Mas em Lima outras modalidades conseguiram garantir mais espaço na delegação do Time Brasil para 2020. A seleção feminina de handebol (14 atletas) foi campeã e confirmou sua ida para Tóquio. As equipes de adestramento (3) e CCE (3) do hipismo também foram bem, com bronze e prata, respectivamente, e estarão no Japão. Nas vagas individuais, Iêda Guimarães, do pentatlo moderno, e João Menezes, do tênis, se garantiram também.

"Viemos aqui primeiramente para garantir a nossa qualificação para Tóquio e atingimos nosso objetivo. Só tenho a agradecer o esforço individual de cada um dos integrantes da nossa equipe, técnico e chefe de equipe", afirmou Carlos Parro, do Concurso Completo, que reúne adestramento, cross country e salto. No individual, ele ainda faturou o bronze.

Com isso, o Brasil já tem 80 vagas confirmadas para os Jogos Olímpicos de Tóquio. Em algumas modalidades, como vôlei e vôlei de praia, o COB (Comitê Olímpico do Brasil) aceitou não ter seus melhores atletas no Pan porque as vagas olímpicas são disputadas em outras competições. A estratégia deu certo e a seleção feminina de vôlei carimbou sua vaga no Pré-Olímpico e agora estará no Pan com um time mesclado.

Nos próximos dias o Time Brasil buscará mais vagas olímpicas no Pan. "Em ordem de possibilidades para os Jogos de Tóquio, entendo que as maiores chances estão com nossos atletas de saltos no hipismo, no tênis de mesa, no polo aquático e no tiro com arco", comentou Jorge Bichara, diretor de esportes do COB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.