Brasil tem seu melhor dia no Pan e brilha até na canoagem

Quem por ventura estivesse preocupado com o sexto lugar do Brasil no quadro de medalhas dos Jogos Pan-Americanos já pode relaxar. Afinal, depois de um dia repleto do bons resultados, o País já é o quinto do quadro, rumando para passar a Colômbia. No total de pódios, os brasileiros só estão atrás de Canadá e EUA - fica empatado com Cuba.

Estadão Conteúdo

14 de julho de 2015 | 23h10

A terça-feira foi o último dia de disputas do judô. O Brasil não cumpriu a meta de subir ao pódio em todas as categorias (o que já se sabia desde domingo), mas ganhou 13 medalhas, repetindo os resultados das últimas duas edições do Pan. O problema foi a escassez de ouro: apenas cinco, contra seis conquistadas em Guadalajara. O número de finais também caiu: de nove para apenas sete.

A canoagem velocidade compensou. Passou de quatro para nove medalhas de 2011 para cá. Só nesta terça-feira, o Brasil foi ao pódio quatro vezes na modalidade, com direito a mais uma de ouro para Isaquias Queiroz. Cuba e Canadá, entretanto, foram melhores. Faturaram dez medalhas cada, sendo foram seis de ouro para os cubanos e quatro para os canadenses.

Se o judô e a canoagem tiveram suas últimas disputas nesta terça, na natação a competição está só começando. E o Brasil já garantiu duas de ouro no masculino e duas de bronze no feminino. Só está atrás do Canadá, que ganhou três provas e já soma seis medalhas.

Os canadenses, aliás, dão toda a pinta de que não vão disputar o segundo lugar do quadro geral com Brasil e Cuba. O lugar deles é brigando pelo título geral contra os Estados Unidos. Por enquanto, estão na frente, apesar da derrota na final do polo aquático feminino.

Colômbia e México já veem o ritmo de conquistas ser freado. Todos os 13 colombianos do levantamento de peso já competiram. Ganharam oito das 14 medalhas de ouro do País e agora não podem ajudar mais. Das outras seis, cinco saíram em provas não olímpicas. Já o México faturou apenas um ouro nesta quarta-feira, depois de encerradas as disputas dos saltos ornamentais, que renderam cinco títulos.

Por enquanto, o Brasil já passou o México e deve alcançar a Colômbia ainda na quinta-feira. Só nesta quarta, colocou 17 medalhas na sua conta (seis de ouro), incluindo uma no levantamento de peso e outra no polo aquático. O badminton já considera um bronze, mas vai ganhar ainda mais duas medalhas, uma vez que está em duas finais. O polo masculino também tem pódio garantido. O remo pode render ouro para Fabiana Beltrame no seu último dia de disputas.

QUADRO DE MEDALHAS:

1.º Canadá - 25 de ouro, 22 de prata e 17 de bronze (64 total)

2.º Estados Unidos - 19 de ouro, 19 de prata e 22 de bronze (60 total)

3.º Cuba - 14 de ouro, 11 de prata e 16 de bronze (41 total)

4.º Colômbia - 14 de ouro, 6 de prata e 11 de bronze (31 total)

5.º Brasil - 12 de ouro, 8 de prata e 21 de bronze (41 total)

6.º México - 9 de ouro, 7 de prata e 19 de bronze (35 total)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.