Marcelo Ruschel/Poa Press
Marcelo Ruschel/Poa Press

Brasil tenta desbancar Rússia,país com estrutura invejável

Começa hoje confronto pela repescagem do Grupo Mundial da Copa Davis, em Kazan, centro de excelência do esporte

Giuliander Carpes / KAZAN, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2011 | 00h00

Tudo o que o tênis brasileiro gostaria de ter à disposição os russos já possuem. Num moderno e suntuoso centro de treinamento em Kazan, a 800 quilômetros de Moscou, o Brasil tenta voltar ao Grupo Mundial da Copa Davis a partir de hoje, às 8 horas (com SporTV), contra a forte equipe da casa, campeã da competição em 2002 e 2006 e uma tradicional potência da modalidade.

Os russos têm cinco jogadores entre os 100 melhores do mundo; o Brasil, apenas dois. Até pouco tempo atrás, dois deles, Nikolay Davydenko e Mikhail Youzhny, eram top 10. Mas o que causa inveja mesmo na equipe brasileira que está em Kazan é a excelente estrutura que o país adversário desenvolveu para formar talentos.

O confronto será na Academia de Tênis de Kazan, um complexo tenístico de impressionar. São 26 quadras (oito cobertas de carpete, 14 de piso rápido e quatro de saibro), duas delas circundadas por estádios com capacidade para 3 mil pessoas onde torneios mensais juvenis e até profissionais são realizados. O local ainda oferece academia, confortáveis vestiários e salas de fisioterapia, restaurante, lanchonete e loja de artigos esportivos.

"É uma estrutura que qualquer país gostaria de ter para desenvolver o tênis. Temos o sonho de, um dia, conseguir fazer algo parecido", diz Jorge Lacerda, presidente da Confederação Brasileira de Tênis (CBT). A entidade tem um projeto pronto para o seu próprio centro de treinamento, mas ainda não conseguiu um terreno para construir. Uma negociação com o governo do Estado de São Paulo se arrasta há anos para a cessão de um local perto do Parque Villa-Lobos.

É um investimento que sai caro. O Ministério dos Esportes da Rússia gastou 32 milhões (cerca de R$ 74 milhões) para construir a academia. O local será uma das arenas da Universíade, em 2013, e não é apenas palco para torneios. Funciona como um centro de formação para centenas de crianças e jovens russos. Eles pagam pouco mais de R$ 100, e têm toda a estrutura e treinadores à disposição em classes diárias.

Surpresa. O capitão russo Shamil Tarpischev surpreendeu na escalação da equipe para a estreia de hoje contra o Brasil. Colocou Igor Andreev, 81.º do ranking, como número 2 do time. Isso significa que o jogador, um especialista em saibro e quadras mais lentas, será o adversário do melhor jogador brasileiro, Thomaz Bellucci (38.º). Ricardo Mello (120.º) desafia Mikhail Youzhny (32.º) na abertura do confronto, às 8 horas. O time brasileiro esperava que o forte e perigoso Dmitry Tursunov, (41.º), seria o adversário de Bellucci no primeiro dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.