Brasil vai ao Mundial Universitário

Enquanto os dirigentes esportivos brasileiros sonham em trazer para o País a disputa de grandes eventos internacionais, como os Jogos Olímpicos de 2012 e o Pan Americano de 2007, os atletas continuam a conviver com indefinições. Cerca de 300 esportistas estavam ameaçados, até esta quarta-feira, de não participar do tradicional Campeonato Mundial Universitário, previsto para ser realizado entre os dias 22 de agosto e 1 de setembro, em Pequim, na China.A polêmica quanto à participação do Brasil na competição começou quando o Ministério do Esporte e Turismo se negou a liberar os recursos para a delegação brasileira. Segundo o secretário Nacional do Esporte, Lars Grael, apesar de o governo estar interessado na ida dos atletas para Pequim, a Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU) está inadimplente com o ministério, fato que a impede de receber recursos governamentais.Diante do impasse, a solução encontrada por Grael foi a liberação dos recursos sob a responsabilidade do Comitê Olímpico Brasileiro (COB). "A única exigência do COB para gerir a verba (cerca de US$ 700 mil) é a de que a CBDU apresente um relatório sobre a delegação que vai ao Mundial, discriminando, inclusive, todas as despesas", afirmou Grael.O presidente da CBDU, Cesar Ferreira de Sousa, reconheceu que a entidade está inadimplente com o ministério, por questões burocráticas, e comemorou a solução encontrada. Segundo ele, com a confirmação da participação brasileira, será possível o País se candidatar para ser sede do Mundial Universitário de Judô, previsto para 2004. No próximo ano, o Brasil vai abrigar o Mundial Universitário de Handebol.Alguns nadadores classificados para a 21ª edição do Mundial Universitário fizeram um protesto, nesta quarta-feira de manhã no Rio de Janeiro, por causa da indefinição. Dentre eles, estavam os atletas olímpicos Fabíola Molina e Luiz Lima. Além da natação, outros 11 esportes estavam ameaçados de não participar do Mundial de Pequim. As modalidades masculina e feminina de futebol, basquete, vôlei e atletismo são alguns desses exemplos.A saltadora Maurren Higa Maggi, o velocista André Domingos e o judoca Carlos Honorato tinham suas participações previstas para a competição, que congrega atletas matriculados em curso universitário, entre 17 e 28 anos. Segundo o presidente da CBDU, caso o Brasil não confirmasse sua participação na disputa, seu descrédito ante as entidades internacionais aumentaria ainda mais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.