Divulgação
Divulgação

Brasil vence a Tunísia com gol de goleira no último lance no Mundial de handebol

Babi marca, e garante vitória brasileira por 34 a 33. Agora, time pega a Costa do Marfim

AE, Agência Estado

09 Dezembro 2011 | 21h57

SÃO PAULO - Com uma campanha surpreendente até o momento, a seleção brasileira feminina de handebol suou para manter os 100% no Mundial da modalidade, que acontece no Brasil. Nesta sexta-feira, já garantido como a primeira colocada do Grupo C, o Brasil derrotou a Tunísia por 34 a 33 (16 a 20 no primeiro tempo), no ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, com um gol da goleira reserva Babi no último lance da partida, após um arremesso de sua própria área.

Nas oitavas de final do Mundial, a equipe comandada pelo técnico dinamarquês Morten Soubak terá pela frente a seleção de Costa do Marfim, que ficou com a quarta colocação do Grupo D, com sede em São Bernardo do Campo (SP), após ganhar do Uruguai por 31 a 24. A partida contra as africanas acontecerá na próxima segunda, em horário a ser definido, no ginásio do Ibirapuera.

Pela primeira vez na história com a primeira colocação de uma grupo em Mundial, o Brasil conseguiu o feito com vitórias sobre Cuba, Japão, França (atual vice-campeã mundial) e Romênia (terceira colocada no Campeonato Europeu de 2010). O melhor resultado da seleção feminina em Mundiais foi um 7.º lugar, em 2005, que pode ser superado desta vez, já que teoricamente a equipe terá um adversário mais fraco nas oitavas.

Agora, a ordem de Soubak é manter a regularidade e fazer ajustes para a reta final da competição. "Vamos pegar os pequenos detalhes, que podem ser acertados para o dia seguinte. São questões táticas", explicou.

As jogadoras alertam que ainda é preciso evoluir para estar entre as melhores. Para a ponta-direita Alexandra, a equipe tem apresentado falhas recorrentes, que devem ser corrigidas. "Temos cometido muitos erros táticos e de finalização. Cada detalhe é muito importante, nosso objetivo é manter 60 minutos de concentração", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.