Brasil venceu a vaidade, diz Zé Roberto

A seleção brasileira feminina de vôlei desembarcou hoje em São Paulo ainda festejando a conquista dos Torneios de Courmayeur (na Itália) e Montreux (na Suíça) e já de olho no Grand Prix, que começa dia 24. Além dos títulos, o técnico José Roberto Guimarães destacou que a grande vitória da equipe foi vencer a vaidade para manter um grupo em que nenhuma das 12 jogadoras é titular absoluta. O Brasil surpreendeu as chinesas, atuais campeãs olímpicas, e conquistou o ouro no Torneio de Montreux com uma virada histórica, quando perdia de 2 sets a 0, no último domingo. Segundo Zé Roberto, o time rendeu mais que o esperado. "Foi melhor do que eu esperava. Sabíamos que tínhamos treinado bem, mas não tínhamos parâmetros dos outros times, mas não sabíamos até que ponto esse time poderia render", avaliou. A estratégia de colocar todas as jogadoras em quadra foi o mais importante no novo ciclo olímpico. "O mais legal é que todo mundo quando joga se sente útil - e isso é o mais importante. Tenho falado que esta equipe não é um time de sete titulares. É assim que se faz uma equipe", reforçou Zé Roberto. O técnico acredita que a partir de agora todas estão no mesmo nível, o que diminui a possibilidade de haver desentendimentos por vaidade dentro do time: "Não tem essa de "eu sou titular absoluta, ninguém mexe comigo." Não é assim. Esse time é de operárias e não de estrelas. Se não jogaremos como operárias, vamos perder. Em Atenas a Seleção tinha titulares definidas, era uma coisa mais acomodada. Infelizmente elas estavam em um nível acima das outras. Hoje não mais." Segundo o treinador, a derrota amarga na semifinal dos Jogos de Atenas para as russas, serve de incentivo para os Jogos de Pequim/2008. "A lição número 1 para acabar com a vaidade é acontecer o que aconteceu conosco: perder um título importante, chorar muito por ele e passar isso adiante. Eu e a comissão técnica lembramos sempre que aquele ponto que não fizemos poderia ter mudado a história do vôlei brasileiro e as das nossas vidas. Perdemos a oportunidade por vários fatores - um deles era a vaidade." As atletas estão satisfeitas com o rodízio em quadra. "O Zé está colocando todo mundo para jogar. Nenhuma pode dizer que não teve chance de entrar em quadra. Eu mesma comecei no banco enquanto a Sassá e a Paula começavam os jogos. Depois consegui me firmar como titular", disse a ponta Jaqueline. A oposto Sheilla emendou: "Ninguém esperava nada do nosso time porque era um grupo novo. Fomos bem em Courmayeur, depois todo mundo se surpreendeu com a vitória contra a China. Surpreendeu até mesmo nós mesmas." A equipe já embarca quinta-feira para o Japão, onde fará os primeiros jogos do Grand Prix. A estréia, dia 24, será diante da Coréia. "Não vou fazer nada na folga, só Descansar. Passamos duas semanas e meia treinando e jogando. Foram nove jogos com só um dia de folga. Chegamos no Japão no sábado e já treinamos domingo", disse Zé Roberto. Jaqueline saiu correndo do aeroporto para encontrar o noivo, Murilo, que chegou hoje do Japão com a Seleção. "Vou buscar meu carro e pegá-lo. São poucos dias para descansar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.