Brasil volta a falar em Olimpíada

O presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, desembarcou do México, neste domingo, empolgado com a escolha do Rio como sede dos Jogos Pan-Americanos de 2007. E já anunciando outra candidatura brasileira, dessa vez para os Jogos Olímpicos de 2012. O dirigente trouxe, no bolso, a estrela de ?xerife? e, na mala, o chapéu texano, presentes distribuídos pelo governador do Texas, Rick Perry, em um jantar para 300 pessoas oferecido pela candidatura rival, e derrotada, de San Antonio. Nuzman garante que vai mandar as peças ao museu olímpico como símbolo da vitória brasileira. Uma resposta ao governador Perry, que havia dito que o Rio seria medalha de prata. ?Não foi elegante, eu não gostei?, disse Nuzman. A revanche veio na votação. Desde 1963, quando os Jogos Pan-Americanos foram em São Paulo, o Brasil não organiza uma competição tão importante. O Rio venceu San Antonio por 30 votos a 21, na Assembléia Geral da Organização Desportiva Pan-Americana (Odepa), sábado. Nuzman deu números da vitória. ?Foram 30% dos votos, vencemos o número um do mundo, os Estados Unidos, um adversário difícil em termos políticos.? Disse que o Rio não apresentou uma candidatura de ?oba-oba e que a política do silêncio, feita nos bastidores, sem que os votos fossem anunciados pela imprensa? deu certo. E não cansou de repetir a frase que ?isso vai mudar a história do esporte no Brasil?, para acrescentar que ?agora é irreversível o Brasil ser candidato à Olimpíada?. O dirigente afirmou que se surpreendeu com os pedidos que ouviu dos presidentes de grande parte dos 21 comitês para o Brasil apresentar uma cidade-candidata à Olimpíada. O manual de candidatura já foi distribuído para as cidades brasileiras pelo COB e as candidatas têm até dezembro para se apresentar. O calendário internacional prevê que a candidatura seja proposta até 15 de julho de 2003. A escolha da cidade-sede de 2012 será em 2005. ?Pequim organizou os Jogos Asiáticos e depois ganhou a sede da Olimpíada de 2008. O Pan pode nos capacitar?, observou o presidente do COB. O desafio de acumular a organização dos Jogos Pan-Americanos de 2007 e defender uma candidatura olímpica para 2012 parece enorme. Até porque são muitas as ações a serem feitas para o Pan ? o orçamento direto dos Jogos está estimado em US$ 178 milhões. Concursos ? O prefeito César Maia, que desembarcou ao lado do presidente do COB ? ambos segurando uma bandeira brasileira e com os braços erguidos e os dedos em ?V?, de vitória ?, disse que os trabalhos começam imediatamente, com a abertura de concursos públicos para os projetos de construção dos equipamentos esportivos e até para a criação da logomarca dos Jogos. Anunciou a criação de um comitê gestor e disse que pedirá auxílio de instituições como o Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea) e a Escola Superior de Desenho Industrial. O fato de cerca de 63% das instalações esportivas estarem em um espaço de 10 quilômetros, na zona oeste, facilitará, segundo o prefeito, as ações de segurança. ?É uma região que tem quatro entradas e saídas, de controle muito fácil?.

Agencia Estado,

25 Agosto 2002 | 20h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.