Márcio Rodrigues/CPB
Márcio Rodrigues/CPB

Brasileira vai à final dos 100m livre com 3º melhor tempo no Mundial Paralímpico

Joana Neves garante vaga na decisão com a marca de 1min29s18

Rafael Franco, enviado especial à Cidade do México, Estadão Conteúdo

02 de dezembro de 2017 | 17h06

Além da medalha de ouro conquistada por André Brasil na prova dos 100 metros costas da categoria S10 (menor nível de deficiência física) em uma das primeiras disputas do Mundial Paralímpico de Natação, neste sábado, na Cidade do México, o País contou com outros três competidores garantindo vagas em finais ao se classificarem em eliminatórias realizadas na manhã inicial de disputas (já à tarde no horário de Brasília) do evento que vai até a próxima sexta-feira.

+ André Brasil leva 1º ouro do País no Mundial Paralímpico e se emociona no México

+ Leia mais notícias sobre esportes

E o destaque principal entre estes últimos três nomes que caíram na piscina foi Joana Neves, que se classificou para a final dos 100 metros livre, na classe S5, com o terceiro melhor tempo das eliminatórias, que tiveram duas baterias classificatórias e um total de 11 nadadoras.

Joana Neves tem acondroplasia, que é um nanismo desproporcional, causado por mutações genéticas. Com 30 anos de idade, a potiguar de Natal pesa apenas 36 quilos e possui 1,23 metro, sendo que o tempo que lhe garantiu na decisão por medalhas, com tranquilidade, foi o de 1min29s18.

Também garantido em uma decisão da noite deste sábado está Thomaz Matera, da classe S12 (nadadores com baixa visão), que avançou com a quinta melhor marca dos 100 metros costas ao cravar o tempo de 1min11s30. Antes de se tornar atleta paralímpico, o carioca nascido no Rio de Janeiro teve retinose pigmentar e era apenas um praticante convencional da natação, mas a piora gradativa de sua visão o motivou a entrar no esporte de alto rendimento.

E o outro brasileiro que assegurou lugar em uma final foi Talisson Glock, que cronometrou o tempo de 5min46s98 e avançou como sétimo colocado nas qualificatórias dos 400 metros livre S6, que tem decisão marcada para acontecer às 23h07 (de Brasília). O catarinense de Joinville sobreviveu a um atropelamento por um trem aos 9 anos de idade, quando perdeu o braço e a perna esquerdos. Mesmo com todas as dificuldades que as limitações físicas o impõem, ele já faz parte da seleção brasileira de natação paralímpica desde 2010.

Todas estas finais estão marcadas para ocorrer na noite deste sábado, quando o grande atrativo será a estreia de Daniel Dias, astro paralímpico que é dono de nada menos do que 24 medalhas de ouro em Mundiais Paralímpicos. O consagrado nadador já cai na água na disputa direta por medalhas nos 100 metros livre categoria S5, marcada para ocorrer às 22h09 (de Brasília). Ele será o primeiro brasileiro a competir nestas disputas noturnas, que ainda terão Beatriz Carneiro, Itálo Pereira, Raquel Viel, André Brasil, Phelipe Rodrigues em outras provas e a equipe nacional dos 4x100 metros livre masculino na luta pelo pódio.

Tudo o que sabemos sobre:
NataçãoParalimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.