Brasileiras brilham, mas entre o 2.º e o 5.º lugares

As mulheres foram o destaque do Brasil na 84.ª edição da Corrida de São Silvestre. As atletas brasileiras não conseguiram ocupar o lugar mais alto do pódio, que ficou com Yimer Wude, da Etiópia, mas cruzaram a linha de chegada do segundo ao quinto lugares. Fabiana Cristina da Silva foi a brasileira mais bem colocada: chegou em segundo, com o tempo de 52 min28. "Usei a estratégia de vir de trás e deu certo. Fui a primeira brasileira no feminino e estou muito satisfeita e feliz com essa colocação", comemorou. "Me senti bem durante a prova e, a partir do 9º quilômetro, encostei nas líderes e lutei pela segunda colocação. No fim, a tática deu certo."Marily dos Santos cruzou a linha de chegada logo atrás de Fabiana. Ela não pôde treinar direito para a prova porque sua mãe, Maria do Socorro, estava hospitalizada. "Havia prometido para minha mãe chegar pelo menos em terceiro lugar", contou. "Corri bem, consegui e estou muito contente por isso." A campeã, a etíope Yimer Wude, disse que o Brasil lhe deu muita sorte. "A queniana saiu muito na frente, no começo da corrida, mas eu me senti bem e consegui ir atrás", afirmou a tímida Yimer, em um inglês arrastado. "Estou feliz."MASCULINOO desempenho dos homens foi bem diferente na São Silvestre. Raimundo Nonato Sousa Aguiar, o brasileiro que se saiu melhor na corrida, chegou apenas em sétimo. "Esperava até o pódio. Mas estou feliz pelo sétimo lugar e por ter sido o primeiro brasileiro na prova", afirmou. "O ritmo da disputa foi muito forte. Infelizmente não consegui concretizar meu sonho." Para explicar o porquê do desempenho baixo dos brasileiros, ele disse: "O nível dos brasileiros não é baixo, o dos corredores africanos que é muito alto." Segundo Aguiar, a partir do quinto quilômetro, ficou muito difícil acompanhar os africanos. "Fiquei perto na tentativa de beliscar o pódio. Já valeu."O campeão, James Kipsang, do Quênia, ficou impressionado com o apoio do público, que vibrou durante todo o percurso. "Consegui impor ritmo forte e fiquei feliz por vencer."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.