Eric Bolte/USA Today Sports
Eric Bolte/USA Today Sports

Brasileiras da ginástica rítmica conquistam segundo ouro no Pan

Equipe conquista primeira colocação em Toronto nas cinco fitas

Nathalia Garcia, enviada especial a Toronto, O Estado de S. Paulo

19 de julho de 2015 | 14h53

Enquanto os Estados Unidos dominam as finais individuais, o Brasil brilha por equipes na ginástica rítmica. Depois do pentacampeonato no geral, as brasileiras confirmaram o favoritismo nas cinco fitas neste domingo e conquistaram a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Toronto.

"A gente veio buscar acertar nossa série, o resultado é consequência", afirma Dayane Amaral, que ao lado de Ana Paula Ribeiro, Beatriz Pomini, Emanuelle Lima e Morgana Gmach subiu ao lugar mais alto do pódio, com a nota 15,000 na apresentação ao som da música "Still Loving You", da banda Scorpions. Sem falhas graves, as brasileiras não foram ameaçadas pelas norte-americanas (13,283) e nem pelas canadenses (12,817), que levaram prata e bronze.

Dayane também esteve presente no Pan de Guadalajara, em 2011, e acredita que isso tem sido importante para o grupo, especialmente depois da perda da capitã Débora Falda, lesionada. "Era tudo muito novo lá. Agora vim com um peso maior, a experiência me deu mais tranquilidade para ajudar as meninas porque eu já participei", diz.

Nesta terça-feira, a equipe volta sonhar com mais uma dourada no Toronto Coliseu. Na final das seis maças e dos dois arcos, as brasileiras repetirão a coreografia apresentada no sábado, com um mix de músicas nacionais ('Mas que Nada', 'Tico-Tico no Fubá', 'Olodum' e 'Brasileirinho'). A performance com tema nacional é a preferida de Dayane.

"A série de arco e maça é mais dançada, mais brasileira e levanta o público. É uma energia diferente. Na fita, além de ser o aparelho mais difícil da ginástica, a gente fica um pouco mais tensa. Dá para se soltar mais amanhã (segunda)", conta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.