Satiro Sodré/SSPress
Satiro Sodré/SSPress

Brasileiras do polo perdem e vão buscar o 9º lugar no Mundial

Seleção cai na repescagem após derrota para China por 10 a 8

Estadão Conteúdo

01 de agosto de 2015 | 17h24

A seleção brasileira feminina de polo aquático caiu na repescagem do Mundial de Esportes Aquáticos, realizado em Kazan, na Rússia. Neste sábado, o Brasil perdeu para a China por 10 a 8. Assim, agora resta a disputa pelo nono lugar da competição.

Os gols do Brasil foram marcados por Izabella Chiappini (cinco), Mariana Duarte, Melani Dias e Amanda Oliveira. Na próxima segunda-feira, o Brasil encara o Casaquistão, às 7h30 (horário de Brasília). Em caso de vitória, vai disputar o nono lugar do Mundial na quarta diante do time que triunfar em Canadá x Hungria.

As brasileiras equilibraram o duelo no início, mas falharam nas finalizações, permitindo que as chinesas fechassem o primeiro período vencendo por 2 a 1. No segundo quarto, a falta de concentração custou caro para o Brasil, permitindo que as chinesas abrissem 5 a 2.

O Brasil esboçou uma reação no terceiro período, liderado por Izabella Chiappini, chegando a ficar apenas um gol atrás das adversárias - 7 a 6. Depois, porém, as chinesas souberam administrar a vantagem e fecharam o jogo em 10 a 8, avançando às quartas de final, fase em que terão pela frente a Austrália. Os outros três duelos dessa fase serão Itália x Grécia, Estados Unidos x Espanha e Rússia x Holanda.

Apesar da derrota, o técnico do Brasil, Pat Oaten, fez um balanço positivo da atuação da equipe. Para ele, a distância entre a seleção e as principais potências do polo aquático está bem menor.

"Caímos num grupo muito forte com Estados Unidos e Itália. São times que vão brigar pelo título. Mas contra a China o Brasil fez um jogo bom. Se tivesse um desempenho melhor nas finalizações, poderia ter vencido o jogo. Estamos perto de vencer um time da elite da modalidade. Era o nosso objetivo. Espero que aconteça na Olimpíada", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.