Brasileiras dos saltos ornamentais ficam sem medalha na plataforma

O Brasil teve uma noite apenas razoável na final de saltos ornamentais, na plataforma de 10 metros. Com 329 pontos, no melhor desempenho da carreira, Ingrid Oliveira terminou na sexta posição nos Jogos Pan-Americanos de Toronto. Outra brasileira na prova, Giovanna Pedroso foi sétima, com 299,50. O ouro ficou com a mexicana Paola Espinosa (383,20), seguida das canadenses Roseline Filion (377,60) e Meaghan Benfeito (357,45).

MARCIO DOLZAN, Estadão Conteúdo

11 de julho de 2015 | 22h45

Na sexta-feira, na etapa preliminar, Ingrid havia errado a queda em um de seus saltos e caído de costas na piscina - o que lhe rendeu, além de dores, uma nota zero dos jurados. Neste sábado, mesmo após uma noite de pouco sono, ela fez uma prova consistente.

Ingrid, de apenas 19 anos, fez um primeiro salto ruim (43,70), ficando em penúltimo lugar entre as oito competidoras. Com 67,20 na segunda rodada, manteve-se em sétimo. Apesar de ter melhorado a pontuação no terceiro salto (68,80), seguiu na mesma colocação.

Os 64,50 conquistados no penúltimo salto rendeu uma posição na classificação - justamente a de Giovanna, que vinha em trajetória descendente no ranking depois do ótimo primeiro salto. Ingrid conseguiu na derradeira tentativa sua melhor nota (84,80), mas que acabou sendo insuficiente para o pódio.

"A minha técnica optou por um salto mais simples pelo que aconteceu. Fiquei um pouco triste por alguns comentários que li nas redes sociais, mas me recuperei e estou bem feliz pelo meu último salto, foi nível de Olimpíada", afirmou.

Com um desempenho de 329 pontos, Ingrid teria chegado à final de Londres. Foi exatamente essa a pontuação de Filion na semifinal da última Olimpíada, prova na qual ficou no oitavo lugar. As três medalhistas do Pan, aliás, foram finalistas olímpicas há três anos.

Já Giovanna Pedroso, quinta colocada na eliminatória, começou com uma nota alta neste sábado (76,80), o que lhe rendeu o segundo posto na classificação da primeira rodada de saltos. A jovem de 17 anos caiu duas posições na sequência, com um salto de 60,80 pontos, e fez seu pior salto na terceira rodada (44,80), fechando a rodada na sexta colocação. Giovanna voltou a fazer um salto ruim na quarta rodada (49,60), e encerrou a prova com 67,50.

"Meu primeiro salto é o melhor da série. Não acreditei quando acertei, foi muito bom. Já o resto poderia ter sido um pouco melhor", avaliou ao fim da prova.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.