Brasileiras querem o título da SS

Se no masculino, a cautela predomina entre os brasileiros na São Silvestre, no feminino o otimismo por uma vitória brasileira é bem maior. Lucélia Peres e Sirlene Pinho dizem que estão bem preparadas e em condições de chegar ao título apesar das ameaças da sérvia Olivera Jevtic, campeã em 1998, da etíope Bizunesh Bekele e das quenianas Anne Bererwe, Margaret Karie e Rose Cheruiot. A largada será às 15h20. Lucélia, que foi vice-campeã no ano passado, diz que a corrida deste sábado é uma das provas principais de seu calendário. ?Me preparei especialmente para a Volta da Pampulha (foi a vencedora e bicampeã) e da São Silvestre. Espero fazer minha melhor prova?, disse a brasileira, que torce por muito calor. ?Se no dia estiver muito quente, vai se dar bem quem estiver nas melhores condições.? Sirlene, que não participou da prova no ano passado, acredita nas suas possibilidades de também sair com um bom resultado depois das vitórias na Meia Maratona Internacional do Rio e na Meia Maratona Corpore, além dos vice-campeonatos na Pampulha e na Maratona de São Paulo esse ano. ?Acho que estou preparada, mas há outras atletas que também podem surpreender?, disse a corredora, que desde o início do ano treina em Águas de Lindóia. As brasileiras vão lutar para retomar a hegemonia na São Silvestre. Em 2001, a vencedora foi a brasileira Maria Zeferina Baldaia e no ano seguinte foi a vez de Marizete Resende. Nos dois últimos anos, no entanto, vitórias quenianas: Margareth Okayo ganhou em 2003 e Lydia Cheromey no ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.