Brasileiro da NFL espera crescimento do esporte no Brasil

Brasileiro da NFL espera crescimento do esporte no Brasil

Cairo Santos brilha em 1ª temporada na maior liga de futebol americano e sonha com jogo no Maracanã

Entrevista com

Cairo Santos

Renan Fernandes, O Estado de S. Paulo

02 de fevereiro de 2015 | 07h00

 "Eu parecia uma criança abrindo um presente de natal. Era a sensação de realizar um sonho, eu nunca vou esquecer". Cairo Santos ainda fala com emoção de sua estreia em uma partida oficial da NFL.

Contratado em 2014 para ser o kicker, homem responsável pelos chutes do time do Kansas City Chiefs, o primeiro brasileiro a atuar na temporada regular da principal liga de futebol americano do planeta não fez feio.

Cairo bateu o recorde de pontos da história da franquia para um calouro: foram 113 no total, sendo 25 de 30 acertos em field  goals e 38 de 38 tentativas em pontos extras.

" SRC="/CMS/ICONS/MM.PNG" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;

Esse bom desempenho já faz o camisa 5 dos Chiefs pensar em fazer com que o Brasil passe a dar maior atenção ao esporte, como aconteceu com o surfe, após o sucesso de Gabriel Medina. "Eu acredito que as portas estão abertas. O esporte vem crescendo muito. São vários jogos por semana na TV, o pessoal torce por mim. Espero ser um embaixador, trazer muita alegria e crescimento para o esporte no País."

Além de se destacar pela regularidade, o Sr. Automático, como começou a ser chamado pelo seu time nas redes sociais, pôde mostrar aos americanos sua habilidade do tempo em que jogava futebol no Brasil. Ele impediu o avanço de um adversário com um carrinho por trás, algo ilegal na NFL e no futebol praticado por aqui. "A gente não treina tackles porque não querem correr risco de lesão. Mas ali foi instinto, eu sei que ele (Percy Harvin, do New York Jets), é três vezes maior que eu, ainda mais em velocidade. Ali eu queria evitar de me machucar e parar a jogada do jeito que eu sei". Cairo já até se coloca à disposição de Dunga, caso o treinador precise de um xerifão na defesa da seleção: "volante, zagueiro... pode chamar para o que for", diz, aos risos.

Mesmo com sucesso, o paulista de Limeira, mas criado em Brasília, não é muito assediado nas ruas de Kansas. "Eu não pareço muito um jogador de futebol americano (1,73cm e 73kg) então não dá para perceber pela aparência. Até porque a gente usa capacete na maior parte do jogo". Se pelo porte físico Cairo ainda passa despercebido, o nome Santos já é lembrado. "Quando tem que dar o nome em algum lugar, como em um restaurante, as pessoas pedem para tirar foto."

Apesar dos bons números como calouro, o brasileiro foi muito contestado em seus primeiros jogos, quando estava com apenas 50% de aproveitamento nos chutes (terminou com 83% em 18º lugar no ranking dos chutadores) e viu seu nome envolvido em muitas especulações.

Mas foi depois de uma partida perfeita contra San Diego Chargers e o chute da vitória nos segundos finais que tudo se acalmou. "Aquele lance melhorou minha reputação no time, na cidade de Kansas e na NFL toda."

Sem se importar muito com recordes e marcas pessoais, o jovem de 23 anos traça uma meta ousada para o futuro. "Depois de eu me firmar na NFL seria uma coisa legal convencer o pessoal a fazer um jogo aqui. Estádios como Maracanã e Mineirão são ícones mundiais pela sua história. Seria muito legal trazer um jogo para o Brasil, ainda mais se a procura pelo esporte no País continuar crescendo".

Tudo o que sabemos sobre:
NFLFutebol AmericanoCairo Santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.