Brasileiro disputa salto na Jamaica

O calor, perto dos 35 graus, e o vento forte que pela manhã insiste em soprar contra a pista do salto em distância, no Estádio Nacional de Kingston, além de 33 saltadores de altíssimo nível de todo o mundo. Esses serão os rivais de Thiago Jacinto Carahyba Dias, de 18 anos, nesta quarta-feira na prova de qualificação do Mundial Juvenil de Atletismo, na capital da Jamaica. "O primeiro passo será obter classificação entre os 12 que vão para decidir a medalha. E a prova está muito forte", observa a técnica Tânia Moura, dizendo que se preocupa pelo horário da seletiva, logo pela manhã - "eles terão de estar na pista 50 minutos antes do início da prova, marcada para às 8h30, o que significa acordar muito cedo." Thiago garante que está calmo. "Como sempre, estou tranqüilo", garantiu, nesta terça-feira, enquanto assistia a outras provas classificatórias no Estádio Nacional - com 35 mil lugares foi inaugurado em 1962, em comemoração à independência do país. Thiago não temia por uma noite mal dormida por causa do calor - não há ar condicionado e nem ventiladores nos quartos da Universidade das Índias Ocidentais, onde está instalada a Vila Olímpica dos atletas em Kingston - e nem pela ansiedade. "A classificação é o primeiro passo porque o Thiago é muito competitivo. Se for à final pode surpreender", disse Tânia. O saltador é o 10º no ranking da Associação de Federações Internacionais de Atletismo (Iaaf), com um salto de 7,73 metros, feito em 11 de maio. O ranking é liderado pelo atleta da Arábia Saudita Ahmed Al-Dossary, com 8,12 metros, Jonathan Moore, da Inglaterra, com 8,03 metros, e o atleta do Quatar, que Thiago derrotou no Mundial de Menores, em 2001, Abdulla Al-Waleed Ibhrahim, com 7,86 metros. "Mas ele costuma dizer que o ranking é apenas um pedaço de papel e que na hora isso não interessa. Vamos ver como ele estará no dia." O vento forte, a favor ou contra, Thiago diz que é "supérfluo". Mas técnica Tânia Moura entende que para um atleta leve e rápido - Thiago tem 1,87 m e 77 quilos - se soprar a favor, mas dentro do limite permitido, o vento vai ajudar na obtenção de uma boa marca. Os atletas tiveram alguns problemas com local de treinamento enquanto a pista do Estádio estava sendo preparada, o que exibe a fragilidade de um país ainda em desenvolvimento. "Mas é bom que tudo não se concentre na Europa ou nos Estados Unidos, dando chance de desenvolvimento do esporte para outros países", afirmou Tânia. "Ainda mais a Jamaica, que tem bons esportistas." A Jamaica é uma ilha do Caribe conhecida por suas praias de nudismo, seus resorts paradisíacos (que promovem casamentos cinematográficos, com direito a lua-de-mel), os "rastamen" e o reggae - é o berço de Bob Marley (nasceu em Nines Miles, um vilarejo de 1.500 pessoas no meio das montanhas). Kingston, a capital tem 800 mil habitantes e é a segunda maior cidade de língua inglesa ao Sul de Miami, nos Estados Unidos. Nesta quarta-feira, o programa horário do Mundial prevê quatro finais, inclusive a dos 100 metros para homens e mulheres, uma das mais charmosas provas do atletismo mundial, além do salto triplo e do dardo feminino e dos 10 km marcha atlética masculina. Os técnicos brasileiros Robson Athadas e Marcelo Lima, que treinam velocistas, não acreditam que os destaques desse Mundial possam brilhar já nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004. "Um ou outro nome talvez", observa Marcelo Lima. Eles acreditam que os Jogos da Grécia ainda serão de estrelas como os atuais reis da velocidade, os norte-americanos Maurice Greene e Marion Jones. "Essa geração é para 2008, para os Jogos da China", observa Marcelo Lima. Luís Eduardo Ambrósio, com 46s79, e Diego Venâncio, com 47s31, se classificaram, nesta terça-feira, para a semifinal dos 400 metros, que será nesta quarta, às 20h25 (horário de Brasília). Ainda estarão na pista Juliana Paula de Azevedo, para a semifinal dos 800 metros, Gustavo Gomes de Mendonça, para a qualificatória do lançamento do disco, Raquel Martins Camilo da Costa e Amanda Fontes Dias, na seletiva dos 400 metros com barreiras. Nesta terça-feira, na segunda rodada qualificatoria dos 100 metros feminino, a brasileira Thatiana Regina Inácio fez o segundo melhor tempo - 11s61 - dentre as 28 competidoras, passando a semifinal, nesta quarta-feira pela manhã. O melhor tempo foi da russa Olga Fyodorova, com 11s51. Na classificatória masculina Bruno Goes fez 10s45, mas correu na série 2, mais forte e não se classificou. Eliezer de Almeida, com 10s54 (o penúltimo tempo dentre os 16 selecionados), correndo na serie 4, foi à semifinal (classificam-se os quatro melhores de cada série).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.