Reprodução
Reprodução

Brasileiro é procurado pela polícia em Toronto após acusação de abuso sexual

Autoridades pedem que Thye Bezerra Matos se apresente

NATHALIA GARCIA E PAULO FAVERO, enviados especiais a Toronto, Estadão Conteúdo

24 de julho de 2015 | 16h37

A polícia canadense emitiu nesta sexta-feira mandado de prisão contra o brasileiro Thye Bezerra Matos, goleiro reserva da seleção brasileira de polo aquático, acusado de abuso sexual durante os Jogos Pan-Americanos de Toronto. As autoridades canadenses ainda não sabem o paradeiro do atleta brasileiro.

"O melhor cenário para este caso é que ele se apresente em Toronto para encarar as acusações", declarou a inspetora-chefe de crimes sexuais Joanna Beaven-Desjardins. Thye Bezerra já deixou o Canadá porque a disputa do polo aquático acabou no dia 15, na semana passada. O atleta já deve estar na Rússia, onde defenderá a seleção brasileira no Mundial de Esportes Aquáticos, em Kazan. A competição começou nesta sexta-feira.

De acordo com a acusação, o atleta do polo aquático teria abusado sexualmente de uma garota canadense de 22 anos, no dia 16 de julho. O nome da vítima, que fez a denúncia, não foi revelado pela polícia.

Segundo a inspetora-chefe, Thye entrou na casa da garota e foi até o quarto dela. Ele estava acompanhado de um amigo, que até o momento não é suspeito. Nenhum deles usava uniforme da delegação brasileira.

"A vítima foi dormir, o senhor Bezerra entrou no quarto dela e a abusou sexualmente. Ele e o amigo deixaram a residência. O senhor Bezerra estava no Canadá no período entre 3 de julho a 16 de julho, na região central, competiu em Markham pelo time brasileiro de polo aquático. Se alguém tiver qualquer informação sobre o suspeito, por favor, entre em contato com a polícia de Toronto", declarou Joanna Beaven-Desjardins.

A pena máxima para o crime de "sex assault", de acordo com a legislação canadense, é de 15 anos de detenção - no Canadá, a legislação local não diferencia estupro de assédio sexual. "É algo que vamos tratar como qualquer outra acusação de abuso sexual. Não há registro de nenhum outro caso nos Jogos", explicou a inspetora-chefe.

A polícia de Toronto está levando o caso muito a sério e espalhou fotos do goleiro pela cidade. "Podem ter outras vítimas, ele passou duas semanas em Toronto. Por isso, a foto dele foi divulgada publicamente e, se alguém cruzou ou teve algum tipo de experiência com ele ou tem mais informações, entre em contato", continuou.

Como o atleta já deve estar na Rússia, Beaven-Desjardins não descarta a possibilidade de pedir a extradição do brasileiro. "Daremos procedimento ao processo, temos os melhores investigadores da América do Norte envolvidos no caso, coletamos todas as evidências exigidas e ao mesmo tempo trabalhamos para trazê-lo de volta para enfrentar as acusações."

Desde as primeiras horas do dia, os dirigentes brasileiros já começaram a buscar informações e ajuda. "Depois que soubemos do caso, fizemos três ações: contatamos um advogado daqui de Toronto para preparar para qualquer necessidade, contatamos o consulado brasileiro e falamos com o Ricardo de Moura, chefe da delegação lá em Kazan, mas eles ainda não tinham qualquer informação". disse Marcus Vinícius Freire, superintendente do Comitê Olímpico do Brasil (COB).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.