Sloane/WSL
Sloane/WSL

Brasileiro Gabriel Medina repete a dose no Havaí e conquista o mundo

Surfista traça caminho parecido com o de quatro anos atrás, quando foi campeão pela primeira vez

Renan Fernandes, O Estado de S.Paulo

17 Dezembro 2018 | 21h25

“Já fui campeão mundial, sei o que tem de fazer para que isso aconteça novamente”. A declaração dada por Gabriel Medina ao Estado antes de a temporada 2018 do Circuito Mundial de Surfe começar reflete o foco e a confiança do surfista paulista na tentativa de repetir o feito que alcançou em 2014 e se tornar bicampeão mundial.

Para isso, tinha de desbancar John John Florence. Campeão em 2016 e 2017, o havaiano era candidato ao título, mas machucou o joelho na Indonésia e abandonou o torneio. Sem o rival, dividiu o protagonismo com Filipe Toledo, com quem disputa provas desde criança.

Depois de anos seguidos tendo problemas para engrenar na disputa e fazendo corridas de recuperação, o surfista de Maresias (SP) nunca perdeu de vista a ponta do Mundial. O único susto veio na prova de estreia, em Gold Coast, com um 13.º lugar, seu pior resultado do ano.

Na Austrália, Medina foi um dos que se posicionaram contra a realização de provas em Margaret River por causa da presença de tubarões. “Não me sinto seguro treinando e competindo nesse tipo de lugar. Qualquer hora pode acontecer alguma coisa com um de nós. Espero que não”, escreveu em suas redes sociais. A World Surf League (WSL) ouviu e mudou a etapa para Uluwatu, na Indonésia.

Medina queria a ponta. E ela veio com dobradinha nas 7.ª e 8.º provas. Primeiro nas ondas pesadas em Teahupoo (Taiti) e depois no Surf Ranch Pro (EUA), primeira etapa da história em piscina de ondas artificiais. A performance reforçou sua condição de um dos atletas mais completos da atualidade.

A liderança, porém, veio apenas na França, nas ondas de Hossegor. Mesmo derrotado nas semifinais, Medina conseguiu a camisa amarela, utilizada para identificar o líder. Foi para Portugal em condições de ganhar antecipadamente. Perdeu. No Havaí, ele levou.


 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.