Brasileiro vira pupilo de De La Hoya

Brasileiro vira pupilo de De La Hoya

Um dos maiores astros da história do esporte, agora empresário, acerta quatro lutas para o peso médio Michael Oliveira

Wilson Baldini Jr., O Estadao de S.Paulo

26 de março de 2010 | 00h00

Michael Oliveira tem 19 anos, 11 vitórias no cartel e ainda está muito longe de conquistar um título mundial para o boxe brasileiro. Mas está seguindo o caminho correto. Conhecido como o Chairman of the Board (Presidente do Conselho), tem como empresário o pai, Carlos Oliveira, que assinou contrato de quatro lutas com a Golden Boy Promotions, de propriedade do astro Oscar De La Hoya. O ex-campeão mundial em seis categorias orienta a carreira de aproximadamente 70 pugilistas, incluindo a superestrela Floyd Mayweather e David Have, detentor do título dos pesos pesados, versão Associação Mundial de Boxe. O primeiro compromisso do peso médio brasileiro, que nasceu em São Paulo, mas mora em Miami, sob a orientação da Golden Boy, será em 24 de abril, no Ginásio do Paulistano, diante do argentino Miguel Angel Cobas, também invicto, com nove vitórias (dois nocautes) e dois empates. Estará em jogo o cinturão "jovem" dos médios, versão Conselho Mundial de Boxe. Uma vitória vai colocar Michael no ranking da principal entidade do boxe.

O duelo Brasil x Argentina fará parte de uma noitada de oito lutas, que será transmitida pelo canal HBO Plus para 48 países e terá como evento principal a defesa do título dos meio-médios-ligeiros da Organização Mundial de Boxe, que pertence ao argentino Lucas Martin Matthysse.

A princípio, o evento seria no Ginásio do Ibirapuera. A pedido de Michael, o pai negocia com a Bandeirantes e com a Globo a transmissão para a TV aberta. "O Michael quer se apresentar para o povo brasileiro."

Até o fim do ano, Michael tem programado mais três lutas sob orientação da Golden Boy Promotions, que serão no México, Argentina e Uruguai. Uma outra, sem a participação de Oscar De La Hoya, será em São Paulo, no Hotel Sheraton, no World Trade Center, na zona sul da cidade.

No site da Golden Boy, que tem previsto mais 13 noitadas até dezembro - com destaque para Bernard Hopkins x Roy Jones Jr., em 3 de abril, e Floyd Mayweather x Shane Mosley, dia 1.º de maio, em Las Vegas - ainda não está em destaque na agenda.

A expectativa é de que De La Hoya possa vir para assistir ao desempenho de seu novo pupilo. Outra celebridade com possibilidades de aceitar o convite da organização é o ex-campeão mundial dos pesos pesados Evander Holyfield, que, aos 47 anos, segue em atividade e tem duelo marcado para dia 10 de abril, em Las Vegas, contra o sul-africano Frans Botha.

Prêmio. Uma semana antes da luta contra Cobas, Michael Oliveira vai receber em Fort Lauderdale, na Flórida, o prêmio de atleta brasileiro de maior destaque nos Estados Unidos em 2009. As oito vitórias obtidas no ano passado ajudaram Michael a superar o piloto Hélio Castroneves, campeão das 500 Milhas de Indianápolis, e os jogadores da NBA Nenê Hilário e Anderson Varejão. O campeão latino dos médios vai receber o prêmio em cerimônia que reunirá personalidades, como o ator Antônio Fagundes e a apresentadora Xuxa.

Estrutura. Ao contrário da maioria dos pugilistas brasileiros, Michael não busca no boxe uma solução financeira. Além de carros caros, belas roupas e viagens em primeira classe, o pugilista possui uma equipe completa que lhe dá todas as condições de treinamento. Médico e nutricionista da Universidade de Miami, equipe de marketing, assessoria de imprensa no Brasil e nos Estados Unidos, técnico (Danny Hawk) e até fotógrafo.

Resta a Michael aprimorar seu boxe. Apresenta algumas falhas defensivas, mas que são amplamente cobertas pelo ímpeto de atacar o tempo todo. "Não me preocupo em machucar o rosto ou quebrar o nariz. Vou para a troca de golpes o tempo inteiro e jamais vou deixar de procurar a vitória." Ele não esconde o seu grande desejo, uma promessa que fez para o avô: ser campeão mundial. "Me vejo como um Rocky Marciano", disse, referindo-se ao ex-campeão mundial dos pesados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.