Brasileiro volta de cara nova

Competição tem reinício hoje à noite, na oitava rodada, com mudança no elenco de boa parte das equipes e troca de alguns treinadores

Wagner Vilaron, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2010 | 00h00

É como se o campeonato começasse agora, mas com algumas equipes premiadas com pontos extras. Essa é a sensação de dirigentes, técnicos e jogadores dos 20 clubes que reiniciam hoje a disputa do Brasileiro. A principal competição do calendário nacional foi paralisada por 38 dias, período no qual foi realizada a Copa da África. E a rotina de jogos é retomada ainda em meio a um resquício de ressaca do Mundial, encerrado três dias atrás.

A sétima rodada do Brasileiro ? última programada antes da Copa ? foi disputada no longínquo 6 de junho. O período de recesso foi tão longo que uma das frases preferidas dos boleiros para traduzir o momento é "trata-se de outro campeonato a partir de agora". Embora se trate de um chavão, a expressão reflete o espírito daqueles que fazem o espetáculo. "Teremos outra realidade", afirma o técnico do Corinthians, Mano Menezes, que terminou a "primeira fase" na liderança, com 17 pontos, mesma pontuação do Ceará (a vantagem está no saldo de gols). "Não dá para dizer se as trocas de jogadores e técnicos que ocorreram nesse período farão bem ou mal. Mas é uma situação nova."

E é mesmo. O principal exemplo é a famosa dança de treinadores. Dos 20 clubes da Série A, sete (Ceará, Palmeiras, Cruzeiro, Inter, Vasco, Atlético-GO e Avaí) trocaram de comando, o que representa 35%. O caso que chama mais a atenção é o do Palmeiras, que repatriou Luiz Felipe Scolari, cotado também para o lugar de Dunga na seleção brasileira.

Chegadas, saídas. Corinthians e São Paulo não sofreram grandes mudanças. A equipe alvinegra levou o goleiro paraguaio Bobadilla, enquanto os são-paulinos se despediram de Cicinho, que se reapresentará à Roma. Com o aval de Felipão, o Palmeiras contratou o atacante Kléber e o volante Tinga. Dorival Jr. perdeu o atacante André, mas a diretoria santista acertou com Keirrison.

No grupo dos clubes que mais se reforçaram estão Atlético-MG, Inter e Fluminense. O Galo tenta sair do desconfortável 17.º lugar com o meia Diego Souza, o goleiro Fábio Costa e o atacante Daniel Carvalho. O Colorado (15.º) aposta em velhos ídolos, casos do volante Tinga e do atacante Rafael Sóbis. Nas Laranjeiras, Muricy Ramalho, que já contava com o atacante Emerson e vive expectativa para ter Deco, foi presenteado com Belletti.

O Flamengo perdeu a dupla de ataque titular, formada por Adriano e Vágner Love, além do goleiro Bruno, que teve o contrato suspenso após ser preso, suspeito de envolvimento no desaparecimento de sua ex-amante. A diretoria apresentou ontem o goleiro Vinícius, o meia Marquinhos e o atacante Borja.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.